Análise Dark Fall: Lost Souls

Dark Fall: Lost Souls não se enquadra na realidade atual, aquela de grandes orçamentos, jogos com equipas de arte enormes e motores de física incriveis, Dark Fall: Lost Souls parece um regresso a uma era anterior da industria. Mesmo para os padrões de jogos de aventura, Lost Souls é simplista. Os ambientes são principalmente fundos planos. O jogador só pode girar em ângulos de 90 graus. Não há trabalho de voz mínimo e animação até menos. Estritamente a partir de uma perspectiva de jogabilidade, provavelmente já experimentaram jogos mais complexos nos extras de um DVD. Então, não presta, certo? Bem, não. Dark Fall: Lost Souls é realmente um jogo de aventura bastante sólido, graças a uma história sólida contada num estilo minimalista eficaz.

Lost Souls é o terceiro jogo da série Dark Fall, mas se não jogaram os títulos originais não se vão sentir perdidos. Uma aventura na primeira pessoa, que coloca o jogador na pele de O Inspetor, um oficial desgraçado que não conseguiu encontrar uma jovem que foi raptada anos antes. Determinado a localizá-la, o inspetor encontra-se numa estação de comboios abandonada na zona rural britânica, assombrado pelos seus fracassos e por outros espíritos. Amy, a menina desaparecida jovem, aparece-lhe de vez em quando, talvez fruto da sua imaginação ou algo completamente diferente. À medida que  o jogo se desenrola, o jogador aprende a verdade sobre o inspetor, Amy e Mr. Bones, o vagabundo que era suspeito no desaparecimento de Amy.

O enredo de Lost Souls é único. É o tipo de história que foi contada inúmeras vezes em filmes de terror e na literatura. Mas em comparação com outros jogos, é eficaz, inteligente e clara. Mais impressionante do que a história real é a maneira que ela é contada. O criador foi capaz de transmitir uma grande quantidade de informações utilizando técnicas de narrativa muito simples, que se encaixam perfeitamente no mundo sombrio do jogo. O Inspetor é constantemente estimulado por mensagens de texto enviadas por um misterioso indivíduo desconhecido chamado Echo. Não só essas mensagens contêm dicas de onde ir em seguida, elas também fornecem pistas codificadas para a verdade por trás da história.

Artigos e livros que o jogador encontra espalhados ao redor do mundo ajudam a preencher a backstory e explicar os acontecimentos em torno desaparecimento de Amy. Igualmente importante para a narrativa é o uso do som. Cheio de  ruídos assustadores, o mundo estático de Lost Souls ganha vida graças ao som ambiente inteligente e efeitos desencadeados. O jogador vai ouvir Amy atrás ou um monstro horrível a gemer das sombras, mas quando virarem o rosto para o ruído, nada está lá. Como alguns dos diretores de filmes clássicos de terror, Boakes sabe que o que não podemos ver é mais assustador do que o que podemos. O seu uso do som faz com que o mundo plano de Lost Souls se sinta muito mais ativo do que realmente é- e muito mais assustador.

Apesar do meu louvor geral para a forma de contar histórias de Lost Souls , não é um jogo que eu possa recomendar a todos, mesmo aos fãs de jogos de aventura. Como muitos jogos do gênero, alguns dos quebra-cabeças são irritantemente obtuso. A inclinação para o sobrenatural deu licença ao designer para chegar a algumas soluções de quebra-cabeça muito obscuras, como um quebra-cabeça em que têm que ouvir a série de tons e recriar o padrão agitando uma lata de ossos, a fim de obter o número de telefone para o hotel da estação.

Enigmas complicados não são única falha do jogo. Mais tarde no jogo quando se torna pesado de mais o diálogo, algumas das linhas dos atores de voz são repetidas naquilo que é claramente uma tentativa de economizar dinheiro. Mas se algumas arestas a limar e um design decididamente da velha escola não vos incomodar, Lost Souls pode ser um jogo bastante bom. Ele pode ser desajeitado, lento e frustrante, mas oferece algumas histórias que melhores que muitos jogos com uma centena de vezes o seu orçamento. É por vezes clichê mas também é genuinamente assustador e atraente, e isso pode fazer-vos repensar a jogar com as luzes apagadas.

Pontuação: 7.9/10

Requisitos do sistema

Minimum:

    • OS: Windows® XP(SP2/SP3) or Vista
    • Processor: Pentium® IV (or equivalent recommended)
    • Memory: 512 MB RAM
    • Graphics: 128 MB DirectX® 9.0C Compatible 3D accelerated video card
    • DirectX®: DirectX® 9.0C
    • Sound: 16-bit DirectX® 9.0C Sound Card
    • Other Requirements: Mouse, Speakers

Recommended:

    • OS: Windows® XP(SP2/SP3) or Vista
    • Processor: Pentium® IV (or equivalent recommended)
    • Memory: 1 GB RAM
    • Graphics: 128 MB DirectX® 9.0C Compatible 3D accelerated video card
    • DirectX®: DirectX® 9.0C
    • Hard Drive:
    • Sound: 16-bit DirectX® 9.0C Sound Card
    • Other Requirements: Mouse, Speakers

Tiago Roque

Leave A Comment