Análise Killzone HD

Há bastantes coisas que me surpreendem em Killzone, o facto de ter conseguido evoluir tanto entre o primeiro jogo e a sequela, apesar de entre entes ter também saído Liberation para PSP que apesar da mudança de perspectiva ser um titulo muito bom,  é algo que além de surpreendente mostra o apoio que a Guerrilla recebeu da Sony apesar do insucesso do primeiro na critica. Outra coisa que me surpreende está relacionada com a primeira e é como foi possivel Killzone ter recebido sequer uma sequela, quando os orçamentos chegam a um certo valor o risco não é algo que se veja normalmente e a Guerrilla colocou muito em causa em apostar numa sequela, mas ainda bem que o fez pois Killzone 2 é um dos melhores shooters para PS3 e um dos jogos que me deu mais gozo jogar nos últimos anos.

Enquanto franquias, como Sly Cooper e Ratchet & Clank resistiram ao tempo, Killzone funciona mais como “foi assim que aconteu”. O shooter em primeira pessoa futurista não conseguiu impressionar no seu lançamento original à oito anos, e como tal, esta versão HD é um relembrar redundante das falhas do jogo original. Pode parecer e correr melhor do que fez no hardware da geração anterior, mas só devem realmente considerar a compra desta versão se forem um fã fiel do franchise. A direção de arte do jogo nunca foi um problema em 2004, apesar da critica ter notado a falta de cores, e sem surpresa que permanece maior patrimônio de Killzone HD pouco menos de uma década depois. O monólogo empolgante de Autarca Scolar Visari  é tão poderoso hoje como sempre foi, e é complementado por algumas decisões de design extremamente confiantes.

Infelizmente, Killzone HD começa a desmoronar no momento em que é dado o controlo ao jogador. Os FPSs  percorreram um longo caminho nos últimos dez anos, e é mais difícil de voltar para jogos anteriores do que em qualquer outro gênero. Apesar de a Guerrilla Games tentar melhorar o esquema de controlos para coincidir com jogos mais recentes – a mudança do reload para o botão já habitual quadrado, por exemplo -, não consegui sentir toda a jogabilidade natural. As armas são desajeitadas e imprecisas, e os Helghast saltam para a nossa frente com uma inteligencia semelhante a uma morte cerebral laranja de olhos zombie em oposição às unidades incrivelmente inteligentes de Killzone 2.

O título não é particularmente emocionante para jogar.  Os cenários de combate são dolorosamente rotina, onde se pulveriza  onda após onda de forças hostis, com pausas  para deixá-lo recuperar o folego no meio. Killzone foi um shooter especialmente aborrecido quando ele foi lançado, e seus problemas só são acentuadas sob os holofotes das expectativas modernas.
Isso não quer dizer fique completamente sem mérito, no entanto. A introdução de vários personagens durante toda a campanha do jogo continua a ser uma ideia interessante, e é uma pena que a Guerrilla não tenha optado para expandi-lo ainda mais em entradas mais recentes.

O principal protagonista Jan Templar é o especialista em rifle de assalto, enquanto Luger traz cautela na mistura. Rico – sim, o mesmo das seqüelas PS3 – é um uma máquina de guerra, constantemente a expor os seus preconceitos contra Hakha, um espião meio-Helghast meio humano. Alternando entre esses personagens permite ver as missões a partir de perspectivas diferentes. Hakha, por exemplo, é capaz de contornar os sistemas de segurança Helghast, enquanto Luger pode deslizar através de pequenas aberturas. É uma dinâmica e aumenta o valor de replay.

A campanha é dividida em capítulos, que são novamente separados em curtas missões de 10 minutos. Nestes dias estamos acostumados a  aventuras que se desenrolam naturalmente e sem problemas, mas Killzone sé desarticulada por contraste.
A Guerrilla fez um trabalho digno a atualizar os gráficos do jogo, mas não tão sofisticado ou favorável quanto o de outras franquias como Sly Cooper. Os visuais são granulados por uma razão, mas tudo acaba por ficar um pouco monótono.  O desempenho é uma área onde brilha esta versão, evitando os problemas que prejudicaram a versão original.Ainda não consegue os 60 fps por segundo mas funciona bem o suficiente.

Demora cerca de 10 horas para completar a campanha single-player, mas vão gastar muito tempo que a passar por corredores familiares. Apesar de ser artisticamente interessante muitos cenários parecem ser repetidos vezes sem conta. O som é similarmente decepcionante devido a algumas vozes lamentáveis e o som ambiente também poderia estar bem melhor. Além da campanha single-player, Killzone HD mantém o modo do título original de multijogador em ecrã dividido. Isso permite que possam jogar uma variedade de jogos em equipa contra bots com um amigo, e é uma memória razoável das sessões multijogador da geração passada. Isso é uma coisa boa, porque a componente online foi completamente removida.

Apesar da sua direção de arte impressionante e intenso senso de estilo, Killzone lutou para se impor na PS2. Na PS3 os seus problemas são acentuados, com tiroteios de má qualidade e ambientes repetitivos estão entre as suas falhas mais notáveis. Funciona principalmente para poderem ver como tudo começou e pessoalmente lembra-me da questão “como é que isto teve direito a sequela”, mas também me lembra que ainda bem que a teve, porque Killzone 2 é fantástico.

Pontuação: 6.8/10

Tiago Roque

Leave A Comment