Análise: Atomic Blonde

Atomic Blonde foi para mim uma verdadeira surpresa. Não apenas quando o fui ver ao cinema, mas quando vi o primeiro trailer. Com um estilo muito próprio e muito provavelmente a melhor performance num filme de acção de Charlize Theron, Atomic Blonde é um filme de acção de espionagem nos últimos dias do muro de Berlim e da guerra fria. Para aqueles que andam a pedir um filme do 007 com um James Bond feminino, o que diga-se de passagem é a coisa mais parva e idiota que se pode pedir, este é o filme que irá alguma vez chegar mais perto disso.

Nos últimos dias da guerra fria, três poderes enfrentam-se em Berlim, o Reino Unido e os EUA são quase sempre aliados na guerra contra o comunismo soviético. Quando uma lista dos espiões aliados cai nas mãos de um espião soviético, Lorraine Broughton interpretada por Charlize Theron é enviada para a recuperar, mas depressa percebemos que o objectivo de quem roubou a lista não é entregar a lista ao estado mas sim vendê-la pelo maior valor possível. Contando com espiões duplos, triplos e alguns que deixaram de ligar a qualquer país e queres apenas jogar o jogo dos espiões, Atomic Blonde é um filme de espionagem brilhante.

Mas tudo isto já foi feito em filmes do género anteriores. Aquilo que Atomic Blonde tem de melhor é em primeiro lugar uma banda sonora fenomenal que nos transporta automaticamente para os anos 80 e a coreografia das cenas de acção. A minha reação no cinema foi de pura surpresa. Não estamos a falar obviamente de qualidade a rivalizar John Wick obviamente, mas é tão acima da média que não podemos não ficar impressionados, especialmente pelo trabalho de Charlize Theron, que por muitas qualidades como actriz que já tenha demonstrado, o seu trabalho mais físico não estava no seu currículo. A sua interpretação aqui não tem uma única falha. Em termos de caracterização da personagem Lorraine , Charlize consegue trazer toda a sedução que a personagem exige, mas é nas cenas de acção que em muitos filmes são passadas para o duplo que ela brilha. Uma das cenas no interior de um prédio é deveras impressionante pela simples duração sem cortes e complexidade da cena e entrega de todos os envolvidos.

Atomic Blonde não irá certamente ganhar uma série de oscars apesar de gostasse de o ver ganhar um ou dois nas áreas técnicas, mas para quem gosta de um bom filme, com uma excelente execução técnica, este é exactamente isso. Sem querer sem mais nada do que aquilo que é e nunca se levar demasiado a sério, Atomic Blonde oferece-nos um enorme filme de acção com uma boa história com algumas reviravoltas e boas personagens.

Tiago Roque

Leave A Comment