Análise: Bear With Me Episódio 2

Lançado em 15 de fevereiro de 2017, por Exordium Games, Bear With Me é uma tomada de humor, sarcasmo e inteligente no género clássico de aventuras point & click, que prometia bastante no primeiro episódio, ficando aquém especialmente graças a ser demasiado curto.
No primeiro episódio, foi-nos apresentado Ted e Amber, o “Homem Vermelho”, e vários membros do elenco. Naturalmente, o Episódio 2 expande essas interações iniciais e diversifica ainda mais a lista com novos cidadãos. Betty, a empregada atrevida e de língua afiada, e Tigren, o praticante do Voodoo, são apenas alguns exemplos das personalidades que existem em Paper City.

O trabalho de voz em Bear With Me é excelente, e há uma abundância de trocadilhos, linguagem subtilmente suja e referências subtis da cultura pop para manter o público mais maduro entretido. A banda sonora é uma variedade suave e rica de jazz, que é compatível com qualquer aventura negra, e se encaixa perfeitamente com o resto dos temas. A ameaça iminente do “Red Man” é um pouco minimizada no episódio 2, mas é uma ameaça persistente digna da apreensão que cria no nosso jovem protagonista e seu companheiro. O arco geral de intriga, mistério e ameaças ameaçadoras continua aqui no Episódio 2, e até se expande. Ted tem uma tendência a quebrar a 4ª parede, às vezes de forma mais descarada do seria de esperar, mas, de outra forma, o seu comportamento rude e grave é um contraste bonito com a natureza lunática e infantil de Amber. Enquanto outras séries se divertiram na perspectiva de uma criança para seus títulos, Bear With Me adotou o próximo passo, adicionando uma camada diferente: é humor adulto, referências obscuras e linguagem colorida em cima da imaginação infantil.

Aquilo em que houve mais melhorias relativamente ao primeiro jogo é na componente técnica. Para um jogo tão simples ainda me custa um pouco a entender de onde vem o tempo de carregamento entre cada secção, não há razão para demorar tanto tempo para carregar tão pouco. Mas Bear With Me: Episode 2 é ainda mais forte do que o primeiro capítulo na performance de jogo, refinamento e falta de bugs, e sinto que a maioria das questões que eu respondi na minha primeira viagem à Paper City estão ausentes aqui no Episódio 2.
A atmosfera deste jogo e especialmente deste segundo episódio tem o sabor delicioso desses temas clássicos do noir, completos com noites cinza, chuvosas, uma banda sonora elegante e uma interpretação rítmica de voz. As personagens são interessantes e ajudam a manter o jogo adulto mas infantil o suficiente, num equilíbrio quase perfeito. São poucos os jogos que evoluem tanto do primeiro para o segundo episódio e isso é louvável.

Tiago Roque

Leave A Comment