Análise: Bridge Constructor Portal

Um dos meus jogos favoritos e consequentemente aquele que já terminei mais vezes é Portal. Posso dizer que se tornou quase rotina acabar o primeiro Portal uma ou duas vezes por mês durante algum tempo. Apesar de não ter a mesma ligação com a sequela considero-o de longe um melhor jogo, bastante mais completo e que superou em tudo o original, a sua duração é que simplesmente não é propícia a permitir acabar o jogo na duração de uma aula como o original.

Foi portanto com grande surpresa e antecipação que vi chegar algo que se assemelha em parte a um novo Portal. O problema é que Bridge Constructor Portal não é um novo Portal, mas sim uma versão com o tema do jogo de Bridge Constructor em que o jogador desempenha papel de Guardião Chefe da Iniciativa de Barreiras Veiculares da Aperture Science, ou, em outras palavras, temos de criar pontes que liguem dois pontos em cenários bem mais exagerados que no Bridge Constructor normal.

Assim como em Bridge Constructor, o jogador faz isso usando uma variedade de ferramentas de construção para construir pontes a partir de um número de pontos de conexão numa câmara de teste de nível constante. Bridge Constructor Portal adiciona todos os tipos de elementos Portal à mistura, tornando um jogo que era por si já bastante complicado em algo bastante mais frustrante e difícil. Assim como o Portal propriamente dito, não demorará muito para que resolver os puzzles que envolvem o uso da gravidade para aumentar a velocidade e passar por portais e muitos outros mecanismos semelhantes, no entanto não posso afirmar que qualquer dos puzzles do jogo fosse realmente óbvio.  Os controles funcionam bem e são tão intuitivos quanto outros jogos de construção. Neste caso a IU acaba por ser bem mais importante que a jogabilidade, uma vez que se baseia apenas em cliques e no geral esta é bastante intuitiva, com as ajudas a complementar tudo.

Tal como no Bridge Constructor normal o jogador tem várias camadas de objectivos que podem ser completados. Podemos vencer todos os níveis apenas chegando com um test subject à meta, mesmo que a ponte inteira colapse no processo. Alternativamente, se quisermos um desafio extra podemos tentar chegar com todos e cumprir outros objectivos que o jogo lançar na nossa direcção. Infelizmente, por melhor que seja uma versão do Bridge Constructor esta iteração de Portal, ela apresenta todas as mesmas frustrações de Bridge Constructor e isso é algo que irá frustrar alguns jogadores que apenas estão a jogar por serem fãs de Portal.

O jogo permite que o jogador jogue sem ajuda e se o jogo está a correr bem uma dica nem sempre é oferecida. No entanto, se o jogo detecta que o jogador gasta um pouco de tempo num nível, o jogo oferece uma dica vaga e um pouco depois, oferece uma segunda dica mais óbvia, e depois se ainda está preso alguns minutos depois, ele oferece uma dica que basicamente diz que ao jogador o que fazer.

Se fazem parte do grupo de adora Bridge Constructor, esse é outro ótimo jogo de construção de pontes que ficou ainda melhor com a nova mecânica do Portal. No entanto, acho que um cenário mais provável é que este jogo vai estar no seu radar por causa de Portal e se for esse o caso, as ideias de Portal estão mais ou menos limitado à adição de alguns novos mecanismos e vozes de GLaDOS entre os níveis.

Tiago Roque

Leave A Comment