Análise: Days Gone

Days Gone não vem aumentar muito a oferta da Sony em termos de variedade temática. A Sony tem já jogos semelhantes no seu catálogo, mesmo vindos do seu próprio estúdio. The Last of Us vem-me logo à cabeça se pensar em Sony e zombies, mas Days Gone está longe do jogo da Naughty Dog. Em termos de qualidade não posso deixar de achar que por muito bom que Days Gone seja está bastante longe da qualidade de The Last of Us, mas mesmo nas suas mecânicas de jogo são bastante diferentes, apesar de se interceptarem em algumas áreas.

Deacon St. John vagueia praticamente sem rumo pelo Oregon pós-apocalíptico na sua mota, enquanto trabalha como caçador de recompensas. O jogo começa por explicar o passado trágico da personagem, assim como dando-nos um vislumbre do início do desastre que deixou a terra no estado em que a encontramos na maior parte do jogo. St. John leva as coisas um dia de cada vez, procurando mais do que tudo uma razão para viver depois de ter perdido tudo.

O mundo infestado de zombis do Oregon pós-apocalíptico está dividido em várias regiões, abrangendo vários tipos de regiões selvagens que vão desde o leste populado por densas florestas que escondem saqueadores, ao sul, onde os cultistas atacam quem se atreve a passar perto. Cada seção do mapa é detalhada e única, com padrões climáticos variáveis ​​que alteram o mundo ao seu redor. Os Freakers são afetados pelo clima e pelo ciclo dia / noite também.

A mota de Deacon é um dos pontos fortes do jogo. Ao contrário de outros jogos abertos à exploração que vamos tendo veículos aqui e ali, a mota aqui é um verdadeiro companheiro de viagem que nos acompanha durante toda a aventura. Graças a ela temos também uma forma rápida e confiável de explorar o mundo. Andar na mota é incrível, e a sensação de velocidade é impressionante, considerando os gráficos detalhados que constroem o mundo ao nosso redor. No entanto quando a mota sofre danos temos de procurar socata para a reparar, algo que pode não agradar a todos os jogadores, especialmente aos mais desastrados na condução.

Existem alguns acampamentos que abrigam pequenas comunidades de sobreviventes espalhados pelo mundo de Days Gone que contam com mecânicos, essenciais para quando precisamos de grandes reparações, o que custa dinheiro. A nossa personagem pode entrar nesses acampamentos e usar as suas instalações, desde que realize missões de caça de recompensas e vários outros trabalhos para o líder do acampamento. Estas comunidades funcionam como centros centrais onde comerciantes e mecânicos vivem dentro da segurança das paredes do campo. Nas visitas iniciais, apenas os itens básicos estarão disponíveis, mas ao realizar missões para o acampamento e limpar as zonas de infestação ganhamos confiança e essa confiança desbloqueia outros itens.

Infelizmente, esses acampamentos de sobreviventes estão constantemente sob ataque dos vários grupos de saqueadores que existem no mundo de Days Gone o que nos empurra constantemente para combate. O combate em si é fluido e, dependendo das ferramentas que temos no inventário, podemos criar armamento realmente eficaz. À medida que avançamos no jogo, encontramos melhores armas e também podemos criar munições, como as setas para a besta.

Depois de limpar um acampamento de hostis, o local tornara-se uma zona segura para a nossa personagem e um lugar onde ele pode guardar as armas e fornecer mapas de saqueadores para descobrir segredos escondidos no mundo. Estas acampamentos com humanos são perigosos, mas são os Freakers em todas as suas diversas formas que são a principal ameaça. Os Swarmers Solitários são os Freakers mais comuns, mas as mutações alteraram o Swarmer em uma variedade de diferentes tipos de zombis, cada um mais perigoso que o outro e algumas são aterradoras. Existem umas criaturas pouco perigosas que são as crianças que nos esperam nos telhados, atacando apenas quando estamos mais vulneráveis. Os gritadores arrastam-se até encontrarem um sobrevivente e quando o encontram alertam todos os zombies na área.

Os Freakers também gostam de construir ninhos e zonas cheias de ninhos são mais complicados de ultrapassar. Queimar os ninhos é a única maneira de pacificar essa área, mas é mais fácil falar do que fazer. Embora as zonas de infestação sejam perigosas, elas não contam com as hordas que vagam pelo mapa e que podem contar com centenas de inimigos. Visualmente, as hordas são incrivelmente impressionantes e mesmo sabendo que o hardware nos PC neste momento é largamente superior ao das consolas, ainda me impressionam algumas coisas que a tecnologia da PS4 consegue fazer. Atacar uma horda não é tarefa fácil e precisamos de habilidades avançadas e armas. Quando estamos preparados as lutas são sequências de perseguição de alta intensidade e um dos melhores aspectos do jogo.

A campanha tem mais de sessenta horas de duração, e qualquer um que queira caçar todos os 240 itens colecionáveis ​​pode esperar adicionar pelo menos mais dez horas a essa contagem. O mundo pós-apocalíptico de Days Gone é claramente um lugar bem pensado e criado com cuidado, no entanto a história em si não acompanha esta qualidade, sendo o ponto mais fraco do jogo.

Tiago Roque

Leave A Comment