Análise: Monster Train: First Class

Monster Train: First Class é um novo deck builder game e é também um dos melhores exemplo dos género neste momento no mercado. O jogador tem uma tarefa bastante fora do comum, salvar o inferno. Basicamente só restou uma chama no inferno e cabe ao jogador transportar essa pequena chama até ao coração do inferno e trazer a sua velha glória de volta. Pelo caminho existem muitos perigos e a única proteção que temos são as nossas cartas.

Monster Hunter: First Class tem uma boa dose de roguelike à mistura das suas mecânicas de deck builder. Cada “run” que jogamos tem uma série de batalhas por turnos cada vez mais difíceis, e temos a oportunidade de melhorar as nossas chances entre elas através de melhorias. Se a chama deixar de estar segura voltamos ao início.

Antes de começarmos temos de escolher um clã principal e um aliado para jogar, cada um com o seu próprio conjunto exclusivo de cartas. Seja quem for que escolhamos terá um grande impacto em como abordamos as batalhas. Cada um tem uma forma diferente de abordar o combate, alguns mais defensivos, outros focados no ataque direto, mas cada um tem também uma fraqueza.

As batalhas em si acontecem dentro do comboio que nos transporta e que está dividido em quatro andares. Os inimigos infiltram-se pelo piso inferior e após uma rodada de ataques vão subindo um nível. A cada jogada recebemos uma mão de cartas, cada uma exigindo brasas para ser usada e apenas uma quantidade finita para distribuir. As cartas de unidade são os nossos monstros, capazes de ser colocadas em qualquer andar do comboio enquanto que as outras cartas do deck têm outros efeitos, como cura ou ataques diretos. Depois de uma série de ondas de inimigos temos um boss ainda mais poderoso. Quando chegamos a este ponto ficamos limitados pelo sucesso que tivemos até aqui . Aumentar o nosso poder num simples ponto de ataque ou armadura pode fazer toda a diferença entre a vitória e a derrota.

Ter sucesso na batalha garante novas cartas para aumentar o nosso deck. O constante malabarismo de ter que gerir três andares de ação é talvez o ponto que mais diferencia Monster Train: First Class da concorrência e consegue efetivamente oferecer uma experiência bem diferente. Entre as lutas e conforme avançamos no jogo temos à escolha duas rotas, cada uma com uma variedade aleatória de eventos e locais. Cada uma ajuda-nos a encontrar melhores cartas e reabastecer a saúde da chama.

Visualmente podemos contar com uma excelente arte nas cartas. A arte é brilhante e subtilmente animada. Os monstros de cada clã têm um estilo muito diferente entre eles e a apresentação geral é decente. Monster Train: First Class é um jogo muito bom dentro do seu género, mexendo apenas o suficiente na fórmula para se destacar da concorrência.

Tiago Roque

Leave A Comment