Análise: RiMS Racing

RiMS Racing é um novo simulador de motas, um género que não tem tido a mesma atenção que os simuladores automóveis, sendo Ride e MotoGP os principais lançamentos dos últimos anos. Criado pela RaceWard Studios, RiMS Racing promete ser o próximo grande lançamento do género e aquele que pretende marcar o standard do género para o futuro.

Aquilo que pode parecer estranho de dizer mas é verdade, especialmente no género em que RiMS se insere, é que não existe nada realmente como ele no mercado. RiMS Racing é realmente inovador. É um simulador de motas de estrada onde o manuseio e a travagem da moto são autênticos, os veículos são recriados de forma minuciosa e a campanha com cerca 70 eventos com o objetivo de se tornar o Campeão Profissional faz um excelente trabalho.

O que faz RiMS Racing destacar-se é também o detalhe incrível fora da pista. Cada mota possui mais de 50 peças que foram modeladas e após cada evento podemos ver o seu desgaste. Cabe ao jogador garantir que a mota esteja sempre em boas condições, pois caso contrário temos de lidar com os problemas de performance associados. O problema da quantidade de detalhe no jogo é que não há muita variedade.

Pessoalmente não tenho grande problema com isso, mas a realidade é que existem apenas oito motas no jogo, algo que pode parecer pouco para muitos jogadores, mas que pessoalmente vejo como uma troca razoável pelo detalhe de cada uma, já que não se trata apenas das motas, mas todas as peças e upgrades de cada uma. Em vez de incluir uma lista interminável de veículos que nunca usamos, a ideia dos criadores foi fazer com que cada uma fosse a melhor representação possível. Com mais de 500 peças licenciadas nas oito motas, o jogo oferece uma complexidade enorme, com peças e fabricantes disponíveis com cada peça a afetar a mota de forma notória.

Cada mota além de parecer diferente, soa diferente e notamos que se controla diferente. Além disso cada mota tem uma série de peças para alterar e cada uma tem peças específicas. Para trocar as peças temos primeiro de comprá-las numa loja do jogo, usando os créditos que ganhamos nas corridas. Depois de remover as peças antigas podemos vendê-las por um retorno insignificante antes de montar as novas peças. Com as várias corridas a sucederem-se também o desgaste da mota se vai acumulando e torna-se um pouco um trabalho, já que temos de ir comprando e aplicando novas peças. Felizmente, também ganhamos pontos de recurso que podem ser gastos para desbloquear a “Montagem Rápida” que evita o processo de montagem.

A atenção ao detalhe é simplesmente soberba, especialmente no desgaste que referi acima. As motas não apenas se vão sujando, como ficam marcadas pelas quedas. Este é um jogo onde caímos com alguma facilidade e as motas vão ganhando riscos e outros estragos que se mantêm entre corridas até as peças serem substituídas. Mesmo durante as corridas existe uma atenção ao detalhe enorme com faíscas a sair da proteção do joelho do seu piloto e podemos ler visualmente pelas animações todo o esforço das curvas. Durante a corrida temos acesso a muitas definições e leituras de desgaste da mota, mas é aqui que senti que o jogo tem algumas falhas, já que não é fácil aceder à informação nesta área. Existem demasiadas opções dentro de opções para que seja intuitivo.

Cada corrida oferece objetivos extra para ganharmos alguns créditos a mais. Infelizmente os objetivos nem sempre são possíveis de fazer com a mota que temos. A carreira em si é simplesmente um evento após o outro e não podemos saltar nenhum evento. Isto pode não parecer grave mas se a próxima corrida for uma de resistência pode tornar-se um pouco frustrante.

Em termos técnicos o jogo também sofre de algumas falhas. Visualmente é muito bom, mas a framerate tem quebras e existe bastante pop-in de texturas. A IA também não é a ideal, com muitas travagens sem razão aparente.

RiMS Racing tem falhas, mas é um jogo soberbo e que eleva o género alguns degraus. Se são fãs de motas, RiMS Racing é talvez o melhor que podem encontrar no mercado neste momento.

Tiago Roque

Leave A Comment