Análise Lords of Football

Lords of Football não é um jogo que quer competir com FIFA ou PES, podendo ser mais facilmente ser descrito como um hibrido de Football Manager e Sims. É um jogo que relembra os dias dias em que havia muito mais gestão de futebol. O objectivo aqui era levar a gestão um pouco mais à frente. Aqui não existem jogadores de renome, mas cada um deles é único. Irão ter que conhecer os hábitos de cada um, pois irão segui-los desde o treino até às suas saídas à noite.

É possível gerir equipas de cinco diferentes ligas europeias, Inglaterra, Itália, Espanha, França e Alemanha,cada um com duas divisões. Apesar de existirem algumas equipas pré-definidas,podem editar o nome da equipe e todos os outros aspectos como equipamento e jogadores. Infelizmente não podemos personalizar a personalidade de cada jogador e podemos acabar com um Messi com a personalidade do Mario Balotelli.

Existe um ciclo de dia / noite regular, onde podemos treinar os jogadores e manipular as suas atividades de animação noturna. Existem todos os aspectos mais importantes de um FM no entanto muitas fases do jogo mais parecem Sims. Durante o jogo propriamente dito é ainda possível controlar de forma bastante limitada as jogadas. Para manter o bom físico dos jogadores além dos treinos é preciso fazer com que estes não se percam em vícios como álcool e drogas, algo que pode prejudicar bastante a sua prestação.

Na prática, isso significa usar poderes de quase deus para evitar que as nossas estrelas percorram os caminhos que não queremos. Durante o dia, estes mesmos poderes são usados para agarrar jogadores e depositá-los em campos de treino, em academias ou ao lado da porta para o fisioterapeuta.É um sistema simples, mas infelizmente muito pouco gratificante.

ss_3559ada62c0673da1457372c25765b0be31abefa.1920x1080

Podemos usar alguns filtros ,por exemplo, para ver cada jogador que precisa de uma massagem ou um dia de folga. É uma maneira rápida de diminuir as competências que certos jogadores precisam, assim como manter rédea curta aos seus vícios. Infelizmente algo que funciona relativamente bem em maior parte dos casos, não consegue encontrar jogadores baseados nas suas estatísticas enquanto jogadores.

Fazendo uso das instalações de treino no interior é algo que simplesmente não funciona pelo simples facto de o telhado do edifício tapar os ícones que os jogadores têm por cima da cabeça. O controlo do zoom é também recheado de falhas. Por um lado é automático, sempre que clicam num edifício é feito um zoom in, no entanto depois vão ter que recuar manualmente. Questões como estas tornam o jogo mais difícil do que deveria ser para manter o controle dos jogadores mais rebeldes, e a falta de qualquer tipo de função de pausa durante as fases de formação / vida noturna tornam o jogo bastante aborrecido.

Na verdade, os aspectos “sociais” da vida dos jogadores resume-se a olhar para barras indicadoras e transportando-os repetidamente para os prédios que vão atender a uma necessidade. Lords of Football também dá o passo incomum de dissociar-se de qualquer tipo de recursos financeiros. Para um jogos de um desporto que atualmente move milhões esta parece ser uma abordagem estranha. Não existe grande controlo da nossa parte nas transferências por exemplo. Podemos indicar quais as necessidades da equipa mas pouco mais. Salários ou bonus ou qualquer outros pormenor a que temos acesso em jogos como FM aqui não existem. Isto pode tornar o jogo mais acessível para alguns jogadores, mas para a maior parte apenas prejudica o jogo.

ss_0f6541f1155a386a3d8a9ccb5e067d620701af55.1920x1080

Na verdade, é o período de dia que acaba por ser a melhor parte do jogo. As opções táticas têm uma quantidade razoável de profundidade e a interface está bastante bem conseguida. Um bom pormenor é também a possibilidade que temos de ter influência direta na ação. A qualquer momento durante o jogo podem pausar o jogo e dar algumas instruções a jogadores individuais. Para tornar as coisas um pouco mais difíceis há uma limitação ao numero de vezes que podem influenciar desta forma o jogo.

Graficamente é um jogo bastante mediano e o som serve apenas um papel funcional. O próprio motor de jogo não é nada de extraordinário, mas ele faz o trabalho decentemente sem muitos bugs. Lords of Football só pode entregar uma versão superficial daquele que era o seu objectivo. Ao tentar entregar um jogo tão abrangente acaba por entregar um pouco de cada um dos seus objectivo mas nenhum deles chega a ser satisfatório. Pessoalmente não sei até que ponto o conceito bem implementado seria uma experiencia interessante, mas também não chegaremos a saber porque Lords of Football nunca consegue oferecer algo concreto e completo.

5/10

Tiago Roque

Leave A Comment