Análise Perfection

Perfection é um jogo relaxante, não muito complicado que irá agradar a um publico muito especifico e que não irá despoletar interesse nenhum nos restantes. Desenvolvido para iOS , Android, PC , Mac e Linux , este discreto “puzzler” é um convite à tranquilidade minimalista. O objetivo do jogo não poderia ser mais simples, cortar as formas que aparecem no ecrã para se assemelharem às que o jogo nos pede.

As formas podem ser redimensionadas ou rodadas com um clique do rato, e um clique é tudo o que preciso para fazer o corte ou desfazer um. Sem restrições de tempo, número de tentativas , ou a quantidade de cortes que se podem fazer. Obviamente é sempre mais gratificante quando o jogo diz que a nossa solução é perfeita, mas não existe realmente grande pressão para o fazer. Uma vez que as formas e contornos são todos gerados aleatoriamente, há um número infinito de níveis, então não há nenhuma pressão para terminar o jogo. Olhando para Perfection não há realmente qualquer forma de ficar frustrado com Perfection.

O jogo não exige que os puzzles sejam concluídos de uma maneira correcta. Esta liberdade e falta de desafio faz com que Perfection não seja tão viciante como outros jogos do género, mas acredito que o publico casual possa ter uma opinião diferente. A banda sonora combina perfeitamente com o jogo em geral sem pressão. O jogo em si funciona é bastante fluido com boa jogabilidade e com todos os elementos a trabalharem para o mesmo conceito. Com essa concepção simplista , não há problemas de framerate ou problemas de colisão , e as animações e transições são perfeitamente cronometradas.

Devido à geração aleatória de níveis , às vezes, as combinações de cores podem ser difíceis de se olhar, mas são problemas raros. Perfection não é um jogo muito excitante nem viciante, mas é inovador e único. É um bom jogo para jogar no telemóvel, mas não o recomendaria para jogar no PC. Não é realmente o jogo que queremos jogar quando estamos parados à frente de um ecrã. Quando o melhor trunfo de um jogo é ser relaxante, ficar sentado à frente de um ecrã a jogá-lo não me parece ser a melhor ideia.

6.5/10

Tiago Roque

Leave A Comment