Análise: Tamarin

Um jogo pode não fazer qualquer sentido na nossa cabeça e mesmo assim manter uma certa coerência entre os seus sistemas, história e jogabilidade. Muitos jogos de aventura por exemplo têm uma lógica muito própria que não funciona no mundo real. Tamarin é uma experiência muito diferente de tudo isso, ignorando qualquer lógica e coerência, fazendo com que a experiência de jogar Tamarin seja capaz de induzir um breakdown mental se tentarmos pensar na lógica de tudo isto.

Tamarin está longe de ser o pior jogo que já joguei já que em termos técnicos está bem acima do pior que já joguei. Já me passou pelas mãos muito lixo que simplesmente não corria ou jogos com grafismo feio que nem podia ser considerado datado, mas Tamarin está longe disso. Tamarin funciona e tem até bom aspeto, mas o jogo não faz qualquer sentido e aquilo que prometia ser um adorável jogo de plaformas ao estilo de Ratchet & Clank ou Mario 64 acaba por ser uma experiência que nem sei bem descrever.

A Chameleon Games decidiu começar por simplesmente copiar Jet Force Gemini da Nintendo 64, tanto na jogabilidade como no design de alguns inimigos. Não é de estranhar já que parte da equipa são ex-funcionários da Rare mas mesmo assim como por ser logo preocupante. Existe em Tamarin um malvado exército de formigas que invade a nossa casa e sequestra a nossa família e o nosso herói Tamarin, começa numa missão de resgate que o levará pelo território inimigo, encontrando novos amigos ao longo do caminho, quase todos eles que parecem retirados de outros jogos da Rare. Logo depois de conhecermos um adorável ouriço, este ouriço entrega-nos uma UZI. Sim.. uma UZI, do tipo, aquela metralhadora. Irão perguntar-se o que faz uma Uzi num jogo em que lutamos contra formigos e sinceramente só posso dizer que me perguntei exatamente o mesmo.

Tendo em conta que estava à espera de jogar um original e adorável jogo de plataformas e estava a jogar um jogo de plaformas muito inspirado em Jet Force Gemini não posso dizer que percebi de onde vinha a UZI. Dizer que Tamarin é inconsistente em termos de tom é realmente pouco. Tanto estamos a perseguir insectos com o nosso adorável Taramin como estamos num abrigo subterrâneo a rebentar cabeças dos bandidos. Há uns tentativas estranhas de tentar amarrar tudo sito sobre o mesmo tecto mas sinceramente nada faz sentido.

Tamarin é um jogo muito mal projetado que parece que pega nas ideias dos últimos anos que funcionaram e junta tudo numa misturadora como se um jogo não fosse bem mais do que a soma das partes. Não há qualquer respeito ou pensamente sobre se tudo isto funciona em conjunto e ainda mais grave é que nenhuma das componentes é sequer boa. As secções de tiro baseiam-se numa jogabilidade que estava desatualizada à 10 anos e as zonas de plataformas não estão melhores. Não há um publico alvo, não há nada que possa justificar a compra. Mesmo em jogos que não gostei consegui arranjar algo que justifique a compra. Talvez sejam muito fãs de um género ou temática. Talvez numa promoção. Talvez em coop. Em Tamarin não arranjo um único talvez que justifique esta aboninação.

Tiago Roque

Leave A Comment