Análise: Stories Untold

Com a quantidade de lançamentos dos últimos meses, a vontade de deitar as mãos em praticamente todo o conteúdo jogável que posso e sobretudo estes dias de festa onde as análises foram acomulando, deixaram-me praticamente sem tempo para análises muito aprofundadadas e por isso Stories Untold vai ser a primeira de talvez uma dezena de análises rápidas em que tentarei dar uma opinião sobre o jogo sem entrar em grandes descrições e manter-me focado na crítica.

Stories Untold é uma coleção de quatro histórias de terror e em que cada uma não deverá demorar mais de uma hora a terminar. Cada história utiliza mecânicas de jogabilidade diferentes e dessa forma podem ficar tranquilos em termos de diversidade. Além de histórias diferentes, também a jogabilidade mantém-se fresca ao longo das poucas horas que o jogo dura. O primeiro é sem dúvida o melhor de todos os episódios, sendo uma espécie de tributo a aventuras de texto que foram populares, ou pelo menos é essa a ideia que tenho, nos anos oitenta. O jogo utiliza um truque de jogabilidade já que aqui conseguimos ver o computador onde estamos a jogar e o jogo utiliza o ambiente para criar tensão. É uma ideia interessante e que funciona realmente bem.

Infelizmente o jogo não mantém a qualidade ao longo do resto do jogo. As histórias seguintes trocam esta ideia interessante por puzzles aborrecidos que mais do que tudo arruinam a atmosfera assustadora do jogo. Além disso o jogo sobrevaloriza os conhecimentos do jogo. Um dos puzzles parte do principio que o jogador sabe código morse. Em 2020 é relativamente fácil aprender o básico de código morse para ultrapassar o puzzle, no entanto pedir ao jogador que saia do jogo para procurar no browser ou usar o telemovel quebra por completo a imersão do jogo. Infelizmente o que irá acontecer ainda mais vezes é os jogadores procurarem simplesmente a solução, o que para um jogo deste género estraga por completo a experiência.

A última parte do jogo acaba por ser um pouco melhor do que as duas do meio. O final acaba por fechar também praticamente todas as pontas soltas e questões que os jogadores poderiam ter. Apesar de serem quatro histórias elas estão ligadas e o jogo opta por não deixar o final aberto a interpretações. Isto pode não agradar a todos os jogadores mas pessoalmente não foi algo que fizesse confusão.

Em termos técnicos destaco a banda sonora Synthwave que adorei. Os fãs da banda sonora de Stranger Things irão adorar e o jogo mistura aqui algum terror de Lovecraft também interessante. Se procuram um jogo de aventura com toques de terror que quase que pega na fórmula de Stranger Things e a trabalha para algo jogável então Stories Untold é o que estão à procura.

Tiago Roque

Leave A Comment