Análise: Trine 4: Melody of Mystery

Trine 4 é um excelente jogo e o regresso à boa forma da série. Se são verdadeiros fãs e o conteúdo de longevidade bastante decente do jogo base não tenha sido suficiente, então podem agora comprar Melody of Mystery, um DLC que traz consigo seis níveis adicionais que além de aumentarem o detalhe do mundo do jogo e de todo o universo que a Frozenbyte criou com os jogos Trine e Nine Parchments, o único jogo neste momento que faz parte do Trineverse e não faz parte da série Trine.

Melody of Mystery é exatamente o que estamos à espera, mais daquilo que torna Trine 4 um jogo tão bom. A história é mais pequena que a de Trine 4 como é de esperar e segue Cornelius Crownsteed, do jogo Nine Parchments, que ao usar uma caixa de música mágica coloca todos os seus alunos num sono profundo e apenas o nosso trio de heróis pode salvar o dia e contam com a ajuda de um certo príncipe que foi muito importante no jogo base, um certo principe perito em pesadelos. De modo geral a história é realmente semelhante ao normal de Trine, uma história de conto de fadas que apesar de ser apelativa não é complexa nem difícil de seguir.

A jogabilidade é exatamente a mesma jogabilidade de Trine 4, muitas plataforma 2D num esquema visual 2.5D, ou seja, o jogo tem como fundo um lindo mundo mágico 3D. Podemos alternar entre os três heróis, Zoya, a Ladra, Sir Pontius, o Cavaleiro e Amadeus, o Mago para quase sempre resolver puzzles, mas ocasionalmente para eliminar alguns inimigos.

Tal como o jogo base, Melody of Mystery também não é muito grande, oferecendo quatro a seis horas de jogo e novamente tudo isso sabe a pouco, mas quando nos juntamos a um amigo para jogar tudo se torna mais divertido. A longevidade do jogo e do seu DLC são ideais para jogar em co-op e perderia muito mais do que teria a ganhar se fosse um jogo de 20 ou mais horas.

Se gostaram de Trine 4 e querem um pouco mais, Melody of Mystery está aí para oferecer exatamente isso. Fiquem a conhecer um pouco mais do mundo de Trine e joguem com um amigo.

Tiago Roque

Leave A Comment