Análise: Ys IX: Monstrum Nox

A série Ys é longa. É um facto que se uma série de jogos consegue manter-se relevante durante tanto tempo é porque tem qualidade. Com tantos jogos a desaparecer ao fim de uma ou duas sequelas, jogos como a série Tales, Final Fantasy ou Dragon Quest são um exemplo de longevidade. Isto também apenas é possível porque os criadores destas séries no últimos anos não têm tido medo de experimentar e inovar, não apenas construindo sobre o que o que foi feito antes, mas também quebrando barreiras e por vezes chateando um pouco os fãs.

Ys IX: Monstrum Nox é o mais recente lançamento da série e começa com Adol, o protagonista de cabelo vermelho da série. Adol e o seu amigo Dogi chegam a Balduq, a cidade prisão e mal chegam Adol é preso pelos guardas da cidade e é interrogado por tudo o que se passou na sua vida até aquele momento. Tradicionalmente, os títulos da saga Ys eram apenas vagamente conectados. Embora eles se encaixem, cada jogo apresenta uma história bastante isolada, com apenas algumas exceções a esta regra. Isto é muito bom para os iniciantes, mas Ys IX consegue conjugar o melhor dos dois mundos, sendo acessível e contido mas explorando a longa história de Adol. Não há nada na história de Ys IX: Monstrum Nox que seja necessário para entender a história contado aqui em Ys IX: Monstrum Nox, mas se forem veteranos conseguem extrair um pouco mais do jogo.

Obviamente não seria um jogo muito interessante se a nossa personagem gastasse muito tempo na prisão e em pouco tempo escapamos da prisão, sendo rapidamente confrontado com uma mulher que acorda novos poderes na nossa personagem acertando-lhe com um raio mágico. Novos poderes é bom, mas como seria de esperar nem tudo corre bem e isto também leva a uma maldição em que ficamos presos em Balduq ao lado de várias outras personagens, todos conhecidos como Monstros e cada um dos quais tem seu próprio poder. O jogo leva um pouco demais para realmente nos libertar na cidade e finalmente nos dar alguma liberdade, mas assim que o faz nunca mais nos prende de novo.

A história de Ys IX: Monstrum Nox é bastante inspirada em anime, algo que para mim não é um problema e a história vai-se tornando realmente boa com o tempo. As personagens formam um elenco realmente interessante, cada uma com uma personalidade distinta e o jogo faz um ótimo trabalho, dando a todos eles tempo para brilhar. Conforme o jogo avança, vamos conhecendo mais e mais personagens e algumas delas juntam-se ao nosso grupo, trazendo novas possibilidades com elas. Cada personagem tem a sua própria habilidade que pode usar a qualquer momento para ajudar a explorar a cidade e o mundo. Todas essas habilidades são ótimas e permitem ao jogador explorar áreas adicionais não apenas na cidade, mas também nas masmorras. Há muito para explorar e a exploração é recompensada com muitos tesouros.

Também ajuda que o combate de Ys IX: Monstrum Nox seja tão bom. O jogador pode ter três personagens no grupo a qualquer momento e pode alternar entre elas com um único botão. Todas elas têm diferentes estilos de luta que se complementam. Não existe uma única personagem que eu tenha sentido que tenha sido introduzida para fazer número e o jogo corre incrivelmente bem em todos os ambientes, com boas mecânicas de ataque mas também de bloqueio e esquiva. Com tanto para explorar há sempre algo novo para encontrar e experimentar. Podemos reunir novos companheiros para trabalhar no nosso esconderijo ao longo do jogo e reunir novos recursos. A única crítica que posso fazer ao jogo é que a quantidade de coisas que podemos melhorar pode tornar-se demais para alguns jogadores, cansando por vezes até jogadores habituados ao género.

Visualmente Ys IX: Monstrum Nox não impressiona. Por tudo aquilo que faz de bom e descrevi acima, é realmente uma pena que o jogo tenha um aspeto tão pouco impressionante. É preciso ter atenção ao que eu disse no entanto, não é um jogo com mau aspeto, simplesmente não impressiona e tem várias áreas que parecem demasiado semelhantes. Obviamente é necessária alguma consistência para criar um mundo credível, mas seria bem vinda mais variedade. Ys IX: Monstrum Nox não é perfeito, principalmente no que toca à apresentação, mas praticamente tudo o resto que faz, faz bem e se são veteranos da série ou gostam do género, vão gostar bastante.

Tiago Roque

Leave A Comment