Análise: Bless Unleashed

Bless Unleashed é MMORPG de fantasia da Round8 Studio e pretende ser para Bless Online aquilo que Realm Reborn foi para Final Fantasy XIV, um relançamento melhorado de um jogo que não foi propriamente bem recebido, tanto pelos jogadores como pela crítica especializada. Com um Final Fantasy XIV a explodir de popularidade e New World a captar jogadores, não é de todo fácil ir buscar jogadores num género onde o público tende a reunir-se à volta de um par de jogos. Mas talvez com World of Warcraft a finalmente perder alguns jogadores, Bless Unleased tivesse um pouco de espaço para crescer. Infelizmente os primeiros números não são animadores.

Bless Unleashed pode parecer novo no PC, mas a realidade é que já anda pelo mundo das consolas à algum tempo. Este jogo gratuito mostra as suas raízes no PC através da UI que pouco tem a ver com a realidade no PC, sendo um jogo pensado para jogar com um comando em primeiro lugar, ignorando as enormes facilidades que existem a ter um rato e teclados disponíveis.

O combate de Bless Unleashed é ótima para jogar com um comando no entanto. Sem grande uso para o cursor, focando-se na ação direta, um pouco como Tera antes dele fez. O combate é aliás um dos melhores aspetos do jogo, se não fôr efectivamente o melhor. Somos apresentados ao combate logo após criar-mos a nossa personagem através de um nível de mini tutorial que nos coloca contra inimigos cada vez mais poderosos. O tutorial serve também para nos dar um pequeno glimpse do futuro, já que nos apresenta a nossa personagem como se esta estivesse num nível avançado.

Por muito útil que o tutorial seja para experimentar uma classe, este não nos ensina grande coisa além de carregue no botão X e veja Y acontecer. Além disso o nível de habilidade que temos nesta altura é um pouco enganador tendo em conta o que vamos ter minutos depois. Mas este não é um jogo difícil, pelo menos no início, algo que também não é grande surpresa dentro de um género onde o simples nível da personagem e dos inimigos que estamos a tentar enfrentar é indicador mais do que suficiente da dificuldade de um combate. Mas mesmo que não exista muito em termos de desafio no início do jogo, é importante experimentar as habilidades nesta altura, tentar encadear habilidades e no fundo conhecer as potencialidades da classe. O combate é essencialmente aquilo que me manteve a vontade de jogar, já que para ser sincero tudo o resto é um pouco banal.

Com o tempo e subindo de nível iremos ter acesso a mais habilidades, mais habilidades até do que temos slots para as utilizar e temos que nos focar naquelas que mais gostamos de utilizar e melhorar estas sempre que possível. Utilizar as melhores habilidades ou as recomendadas em guias online pode ser mais eficaz, mas não posso deixar de recomendar que joguem às vossa maneira ou irão fartar-se rapidamente. Depois de desbloquearem bênçãos diferentes podemos adaptar ainda melhor o jogo à nossa maneira de jogar. Cada classe pode esquivar-se, o que parece um pouco estranho no início, mas é quase uma necessidade num sistema de combate tão dinâmico como este. Enquanto que em outros jogos precisamos de defesa. barris de poções ou cura interminável em nós próprios para nos manter-mos vivos, o sistema de combate de Bless Unleashed dá um peso maior na capacidade do jogador e um pouco menos nas estatísticas e isso é algo positivo no género.

No resto dos sistemas Bless Unleashed é muito mais conservador. Contém com muitas quests do género encontrar X de Y ou matar X criaturas do tipo Y, mas ocasionalmente o jogo apresenta-nos objetivos mais interessantes. Mas algo que o jogo mantém quase a 100% e para mim continua a não fazer sentido no género é não ter uma história coerente. Eu pessoalmente não percebi o meu lugar no mundo do jogo e à medida que muitos MMORPGs se afastam da fórmula de o jogador encarnar um herói lendário escolhido pelo universo, é pena que Bless Unleashed vá por esse lado. Se todos os jogadores são o tal herói lendário não faz muito sentido não é verdade? Muitos jogos encontraram formas de levar o jogador a acreditar que é um de muitos, que a sua história é efetivamente sua, mas Bless Unleashed não é um deles.

Mas há coisas que o jogo faz realmente bem, como os bosses mundiais que encontramos espalhados pelo cenário e em quem todos os jogadores se juntam para dar uma valente sova. Os primeiros dez níveis parecem bastante lineares, mas as zonas começam a abrir depois disso, com muito bom PVP e mais destes bosses espalhados pelo mundo e no geral todo o jogo começa a ficar mais desafiante. Visualmente é também um jogo muito bom e que irá testar as máquinas mais antigas

Bless Unleashed tem coisas positivas, principalmente no que toca ao combate, mas a história e áreas iniciais não conseguiram cativar a minha vontade de continuar a jogar além do tempo que joguei para esta análise. Também os sistemas de monetização são um pouco abusados, já que o jogo utiliza uma moeda premium para muita coisa e essa moeda apenas pode ser comprada com dinheiro ou trocada por dinheiro do jogo mas em quantidades muito mas muito baixas. Tendo em conta tudo isto, os 40€ de New World começam a parecer um negócio bem mais interessante.

Tiago Roque

Leave A Comment