Análise: Inscryption

Já referi uma vez aqui que um dos maiores prazeres de ter um website como o ComboCaster é poder receber alguns jogos que nunca na vida jogaria, pela simples razão de que dificilmente estariam na minha lista de interesse. Inscryption é um desses jogos e que surpresa foi. Inscryption é uma mistura de jogo de cartas coleccionáveis com um RPG tabletop e consegue equilibrar todos os seus elementos e misturá-los de forma a criar uma experiência tão rica quanto única.

Quem jogou Hand of Fate irá encontrar semelhanças entre os dois, mas são jogos muito diferentes. De qualquer forma, tal como em Hand of Fate temos de enfrentar um adversário que nos força a um jogo de cartas onde jogamos pela nossa vida. Existem elementos roguelite na exploração da cabana e da solução de puzzles, que nos dá acesso a mais cartas e esculturas que permitem explorar mais o mapa. A jogabilidade é realmente boa e o ambiente soberbo, mas desenvolver estratégias para superar a natureza aleatória do jogo é apenas satisfatório. Por alguma razão que não sei bem elaborar, o jogo não é muito equilibrado. Por vezes conseguimos ganhar com um deck fraco e sabemos que é fraco e depois temos muitas dificuldades com um deck muito melhor e que sabemos que é objetivamente melhor.

Inscryption não se fica apenas por estas mecânicas e o jogo vai evoluindo com o tempo. O núcleo do jogo permanece o mesmo, mas existem quatro alterações em camadas que mudam as coisas significativamente. Conforme progridimos em Inscryption muita coisa muda, desde a jogabilidade à atmosfera e grafismo. Olhar para o jogo no início e a meio é diferente, mas é feito de tal forma lenta que a jogar nem damos conta. Tal como o jogo indica, tudo é mais ou menos obscuro e críptico aqui. Enquanto a progressão é mantida misteriosa e enigmática, quando chegamos ao final tudo se resume a um conto decente sobre uma luta pelo poder entre quatro criadores e o jogador basicamente aparece no meio de tudo isto.

A narrativa não é muito forte para dizer a verdade, apesar de todo o mistério que rodeia a história prometer bem mais do que acaba por resultar. É a forma como o jogo vai progredindo que o torna longe de banal. Apesar de já termos visto muitas destas mecânicas de “jogo assombrado” antes, a execução aqui é muito boa. O jogo pede-nos para escolher ficheiros do disco rígido e vai buscar informações à Steam e isso é realmente divertido, apesar de já ter visto algumas destas ideias antes.

Apesar de tudo isto que rodeia o jogo em si, o progresso verdadeiro é feito através de ganhar o jogo de cartas. Os puzzles existem e são importantes para aceder-mos a mais cartas, mas é no jogo de cartas que conseguimos avançar. Visualmente o jogo é também muito interessante. Fico-me por interessante porque o jogo utiliza um estilo de baixa fidelidade e dizer que o jogo é muito bom visualmente pode levar ao engano. A baixa fidelidade adiciona um valor assustador aos visuais já turvos e o jogo faz um ótimo trabalho em enquadrar tudo e garantir que o jogador só possa ver o que deve.

Inscryption pode parecer um simples jogo de cartas, mas é na descoberta dos seus segredos que está o seu factor diferenciador. Não posso deixar de achar que já joguei muito disto antes, mas não posso dizer que o joguei melhor do que aqui.

Tiago Roque

Leave A Comment