Análise Elder Scrolls V Skyrim

Muitos de vocês não irão ler esta análise porque praticamente tudo o que já podia ser dito sobre Skyrim já foi dito, no entanto não me sentia bem em lançar a análise sobre Dawnguard, o primeiro DLC de Skyrim, sem lançar uma análise ao jogo original. Assim, podem contar nos proximos dias uma análise ao aguardado DLC que adiciona horas e horas de jogo a um jogo que já por si tem uma longevidade virtualmente ilimitada.

Elder Scrolls é já um nome de peso na industria, sendo reconhecidamente uma das melhores licenças de RPGs ocidentais e Skyrim vem mais que confirmar esta imagem, lançar Elder Scrolls para um patamar ainda superior. Bugs à parte Skyrim é provavelmente o melhor RPG desta geração e sem grandes duvidas o melhor jogo dentro de todos os gêneros desta geração.

Dependendo do modo como o queiram aproveitar irão achar Skyrim completamente épico, um mundo imenso aberto à exploração e uma estória fantástica. Facilmente irão deixar a estória principal de parte durante umas boas horas para explorar ou resolver uma pequena quest que vos apareceu pelo caminho, não porque tenha que ser mas simplesmente porque querem, Skyrim tem esse poder sobre nós jogadores. Queremos saber mais sobre Skyrim e Tamriel e toda a sua história, os seus deus e heróis, tudo isto informação espalhada por volumes e volumes de livros espalhados por Skyrim.

Tudo tem um propósito neste mundo, não existem itens inúteis, desde as pelos que retiramos a ursos e lobos que usamos para fazer armaduras de couro até às plantas que usamos depois para alquimia tudo tem uma função. Tudo o que fez de Elder Scrolls um sucesso está condensado em Skyrim mas alguns pormenores foram deixados de fora. Criar uma personagem foi muito simplificado e a sua evolução é agora também bem mais linear. Não é necessário agora designar habilidades durante a criação da personagem estando a unica diferença na raça escolhida, sendo cada raça mais hábil em certos aspectos. Os High Elves por exemplo dão os melhores magos uma vez que podem recuperar Magicka totalmente uma vez por dia, mas todas as outras raças têm vantagens deste gênero.

Como já realcei há uma liberdade incrível em Skyrim, nada vos obriga a seguir do inicio ao fim a quest principal, havendo centenas de quests que podem fazer durante o jogo. Maior parte dos jogadores irá deixar de parte a quest principal durante dias pois há uma enormidade de conteúdo em Skyrim que deve ser explorado.  Skyrim parece também estar vivo, os habitantes vão conhecendo tudo o que passa, o normal depois de derrotarmos um dragão por exemplo é que um guarda de uma das cidades nos fale sobre isso ou sobre os últimos acontecimentos da guerra civil de que podemos também participar.

Os dragões são um dos elementos principais deste Elder Scrolls. Além de ser a primeira vez este inimigo aparece na série e está presente de uma forma soberba. Primeiro é de realçar o seu comportamento em combate, sendo um cópia exata do que estamos habituados a ver nos filmes e quando um nos aparece pelo caminho a adrenalina sobe automaticamente.

Os dragões aparecem de forma mais ou menos aleatória em Skyrim, por vezes encontramo-los a proteger artefatos, outras vezes a atacar cidades ou podem ainda aparecer enquanto atacamos um campo de bandidos causando efeitos surpreendentes. Enquanto estamos a atacar os bandidos e um dragão ataca vemos os nossos inimigos a unir-se à nossa personagem criando um momento de camaradagem surpreendente. Estas batalhas demoram apenas alguns minutos e oferecem sempre uma recompensa notável, nem que seja apenas a alma do dragão que permite desbloquear “shouts”.

Os shouts são magias que podem ser utilizadas por todas as personagens e dependem apenas do numero de dragões que matamos. Cada shout é composto por três palavras que têm de ser conhecidas e para as conhecermos temos que explorar Skyrim à sua procura, o que por si só é já uma desculpa para a exploração e para continuar a aproveitar o jogo mesmo depois de acabada a estória principal.

Fora da estória principal há ainda várias estórias secundárias como a da guerra civil que está a acontecer. Podem escolher um dos lados desta guerra e ajudá-lo a chegar à vitoria. Mesmo que não se metam nestes acontecimentos nota-se que estes continuam a acontecer, através dos NPCs das cidades que continuam a falar dos últimos acontecimentos ou dos rebeldes que vamos encontrando. Outro pormenor interessante são as personagens que podemos encontrar pelas florestas por exemplo, que nos pedem ajuda para fugirem de bandidos ou até as quests que iniciamos lendo livros que nos contam de tesouros perdidos.

Todos estes acontecimentos e oportunidades fora da quest principal podem ser deixados completamente de lado, no entanto não estariam a jogar Skyrim da forma correta. Quem jogou os Elder Scrolls anteriores irá encontrar muitos pormenores sobre os capítulos anteriores e há quantidades inimagináveis de textos em livros que contam a história de Skyrim e Tamriel. Além de tudo isto a exploração é ainda altamente recompensada, com equipamentos raros e outros itens de variada importância. Não demorarão muitas horas se seguirem apenas o caminho da quest principal, mas se seguirem todos os caminhos secundários e explorarem algumas dungeons irão olhar para o tempo de jogo e ver mais de 100 horas a passar.

Seja em quests ou a limpar dungeons nunca irão ter a sensação de “grind”, podem passar tanto tempo em combate como nas casas que compram a praticar alquimia. Tudo isto irá fazer com que subam de nível, pois ao contrário de grande parte dos RPGs aqui não ganham experiência, mas sim sobem as variadas habilidades com o uso. Usem a vossa espada de uma mão e irão aumentar a vossa habilidade de a manejar, façam alquimia e aumentem a vossa habilidade com esta, até levar dano dos inimigos aumenta a habilidade de usar um certo tipo de armadura. Quando subimos alguns pontos nestas habilidades então subimos realmente de nível.

Quando subimos de nível podemos escolher perks de uma árvore que desbloqueiam alguns bônus poderosos. Sempre que subimos de nível podemos gastar um ponto, no entanto nem sempre o podemos gastar no que queremos, havendo alguns requisitos. Gastar um ponto num certo perk pode obrigar que já estejamos a nível 40 nessa habilidade por exemplo.

Desta forma não existem sistemas muito complexos, o próprio jogo adapta-se ao tipo de jogador que somos. Se gostamos de luta corpo a corpo enquanto bloqueamos com um escudo então acabará por ser assim que somos mais fortes. Apesar de ser um jogo relativamente complexo, este aspecto faz de Skyrim um jogo bastante “user-friendly” que irá agradar tanto a veterano com a novatos que acabam de experimentar o primeiro jogo da série.

Fallout 3 foi um dos jogos de maior sucesso da Bethesda e está presente muita inspiração deste. Especialmente os momentos “slow-motion” onde o gore é rei proporcionam momentos brilhantes que dão outra cor a um combate que foi outrora bastante mais aborrecido. Dependendo dos perks que utilizam o combate corpo a corpo vai ainda melhorando ao longo do jogo, sendo que o perk de abrandar o tempo por exemplo é essencial para quem prefere este tipo de combate.

Para quem se imagina como mago Skyrim também o seu sistema, ao estilo BioShock. Podemos controlar um feitiço por cada mão, lançar chamas com uma e raios com outras por exemplo. Se o combate se tornar difícil podem dar dano ao inimigo ao mesmo tempo que se curam a vocês próprios e com os perks certos podem ainda combinar os dois feitiços que estão a utilizar para criar um terceiro mais poderoso. Tudo depende da vossa atenção na escolha de perks e alguma imaginação.

Tal como em Fallout 3 há um sistema de seguidores. Além daqueles que recebem durante a estória podem contratar soldados para vos seguirem durante a aventura. Estes são apenas carne para canhão sem qualquer tipo de personalidade interessante, mas são sem duvida uma ajuda importante, seja a dar dano ou a levarem o dano por vocês. Infelizmente a sua morte é permanente portanto é importante ter sempre algum cuidado.

Há ainda feitiços que invocam criaturas para vos ajudar, o que é uma boa opção para os magos, no entanto não há razão nenhuma para não levar um dos outros espalhados pelas cidades para vos ajudar.

A main quest acompanha a vossa personagem enquanto ele descobre que é Dragonborn, o possuidor do sangue de dragão que tem que salvar o mundo. Os dragões regressaram a Skyrim depois de séculos em que se pensou estarem mortos e que estão agora a ser ressuscitados por um dragão negro. Cedo descobrem outros pormenores e entrarão numa aventura épica como nunca jogaram.

O grafismo é incrível apesar de o motor ser bastante semelhante ao de Fallout. Os cenários são belos e as montanhas geladas são um ambiente irresistível. Apesar de ser uma zona gelada podem contar com  ambientes muito diversificados e as dungeons são enormes e recheadas de detalhe. Subir uma montanha trás um sentimento de exploração e aventura como não sentia à mais do que me lembro. O tempo varia entre dias de nevoeiro e dias belos de Sol, o que torna Skyrim impressionante até de admirar. Mesmo parado Skyrim consegue surpreender pela sua beleza e juntamente com uma banda sonora tão épica como a aventura que nos proporciona faz de Skyrim um jogo incrível.

Jogabilidade, grafismo, som, estória e a imensidão de Skyrim fazem de Elder Scrolls V o melhor da série até agora e sem duvida o jogo do ano passado. Daqui a uns dias irão descobrir como se porta a expanção Dawnguard que vem adicionar cerca de 20 horas de jogo a um jogo com já tantas para dar. Se acabaram agora Skyrim fiquem atentos.

Pontuação: 10/10

Requisitos do sistema

Minimum:

    • OS: Windows 7/Vista/XP PC (32 or 64 bit)
    • Processor: Dual Core 2.0GHz or equivalent processor
    • Memory: 2GB System RAM
    • Hard Disk Space: 6GB free HDD Space
    • Video Card: Direct X 9.0c compliant video card with 512 MB of RAM
    • Sound: DirectX compatible sound card

Recommended:

    • Processor: Quad-core Intel or AMD CPU
    • Memory: 4GB System RAM
    • Video Card: DirectX 9.0c compatible NVIDIA or AMD ATI video card with 1GB of RAM (Nvidia GeForce GTX 260 or higher; ATI Radeon 4890 or higher)

Tiago Roque

Leave A Comment