Análise Paper Mario: Sticker Star

Em muitas maneiras, Paper Mario: Sticker Star é o regresso à forma da série. Depois de um breve desvio  com Super Paper Mario para a Wii, que evitou muitas das mecânicas de RPG associados com a série para um design mais simples, Sticker Star abraça a sua herança RPG, colocando uma ênfase renovada na gestão de itens e combate por turnos. Esta deve ser uma boa notícia para os fãs que estavam decepcionados com a série depois do jogo para Wii, mas não é o único aspecto notável do novo jogo. Sticker Star também apresenta uma abundância das suas próprias inovações , bem como, tornando o jogo verdadeiramente único na série e não apenas um simples upgrade das glorias do passado.

Isso não quer dizer que com Sticker Star se abandona completamente as experiências com plataformas de Super Paper Mario. Durante todo o jogo vão enccontrar vestígios do título da Wii ainda persistente no design do jogo. As áreas estão divididas em diferentes “níveis”, que são dispostos num mapa do mundo que lembra Super Mario World e Mario já não ganha pontos de experiência por derrotar os inimigos, tendo, em vez disso de encontrar os itens adequados para aumentar a sua capacidade, e os membros da party foram completamente apagados, restando apenas Mario para resolver os problemas do mundo sozinho. Isso faz com que Sticker Star seja uma espécie de mistura de Super Paper Mario e The Thousand-Year Doors, contendo os melhores aspectos de cada um e fundindo-os numa aventura para uma plataforma portátil.

Grande parte do sucesso deste casamento resulta de algo presente até no nome do jogo novo, autocolantes. Como podem perceber a partir do título, os “stickers” desempenhar um papel importante em Paper Mario:Sticker Star. Não só eles são a forma de atacar inimigos em combate, substituindo os emblemas que têm sido marca da série, mas ainda formam o coração da história do jogo. Sticker Star começa na véspera do Sticker Festival, uma reunião do reino inteiro para celebrar a chegada de um cometa.

O Cometa é conhecido por conceder os desejos daqueles que olhem para ele, mas, como de costume, Bowser pretende aproveitar esse poder para si, interrompendo o festival e pondo as mãos sobre o cometa lendário. Isso faz com que ele se separe, espalhando “stickers” incontáveis ​​em todo o Reino do Cogumelo, e ainda os “Royal Stickers”, seis relíquias especiais de imenso poder. Sempre o herói, Mario é encarregado de recuperar esses autocolantes e parar seu rival de conquistar o mundo.

É um conto bastante simples, sem dúvida o mais simples de qualquer título Paper Mario até à data, mas está animada com o charme característico da série. Todo o texto é absolutamente fantástico, com abundância de diálogo bem-humorado e personagens simpáticos. Kamek em particular realmente entra na sua própria nesta aventura, tendo o papel de antagonista enquanto Bowser recua para um papel secundário.

Enquanto a escrita de Sticker Star é um dos seus destaques mais imediatos, a sua jogabilidade é tão atraente que é o segundo porte forte do jogo. A estrutura nova faz um bom trabalho a quebrar o tradicional design Paper Mario numa experiência mais portátil, segmentando cada cidade e calabouço em estágios distintos. Da mesma forma, a  mecânica de autocolantes acrescenta um toque novo ao combate, tornando-o mais atraente do que nunca. Cada um dos “stickers” é esgotada com o uso, obrigando o jogador a gerir o inventário e a realmente pensar como terminar cada batalha o mais rápido possível.

Como incentivo adicional, serão premiados com um “bónus perfeito” cada vez que limparem uma batalha em apenas um turno, o que vos dará moedas adicionais para gastar em mais autocolantes ou para usar na roleta. E graças à abundância destes no jogo, nunca estarão realmente em risco de ficar sem eles durante o combate, evitando uma armadilha que poderia ter prejudicado esta mecânico toda e estragando completamente o jogo.

Também é refrescante ver Sticker Star abraçar plenamente seu design de papel, criando um dos estilos mais distintos visuais de qualquer jogo  na memória recente. Cada ambiente parece ter sido trabalho de papelão e papel, as construções e personagens não jogáveis ​​amassam e vincam quando colidem com outros objectos para reforçar este tema. Os efeitos estereoscópicos também são bastante impressionantes, acrescentando uma sensação palpável de profundidade para os locais. O jogo realmente transmite a sensação de um diorama virtual, e vão querer jogar com o 3D para desfrutar da direção de arte ao máximo.

Infelizmente, há algumas questões que estragam a experiência global. Tão divertido quanto o Stick Star é, também é vago nos seus objectivos  muitas vezes deixando-nos sem a devida orientação sobre o que fazer a seguir. Isto não é um jogo de puzzles e vão ser capazes de percorrer o vosso caminho através da aventura com pouca dificuldade, mas há casos em que vão encontrar-se perdidos para onde ir para obter um determinado item , ou pior ainda, momentos em que vão entrar num combate contra um boss sem o item necessário.

Sticker Star também depende um pouco demais de voltar atrás, o que pode atrasar o ritmo do jogo consideravelmente. Isso não é tão mau como nos jogos anteriores da série, o novo mapa do mundo garante que viajar para níveis anteriores é um processo bastante rápido, assim nunca terão que que percorrer muito terreno para chegar a uma área que já visitaram. Ainda assim, combinada com a sua frequente falta de direcção, isso pode realmente atrasar a aventura.

Paper Mario: Sticker Star é outra entrada fantástica na série, e facilmente um dos melhores lançamentos do ano para a 3DS. O jogo mantém o charme e inteligência dos títulos anteriores de Paper Mario, e a sua nova mecânico  torna o combate ainda mais envolvente do que antes. Existem questões principalmente com a indefinição de alguns dos objectivos  mas que pouco importam no grande esquema das coisas e vão  divertir muito a  jogar Paper Mario: Sticker Star.

Pontuação: 8.8/10

Tiago Roque

Leave A Comment