Análise Deadlight

O XBLA tem mostrado que está recheado de pérolas, com Braid e Limbo a surgirem primeiro no serviço da Microsoft por exemplo. Deadlight é o próximo a atingir um estatuto acima da média e é também um dos melhores jogos no mercado online.

Randall Wayne perdeu a sua família. O mundo hostil em que vive não é um mundo de maravilhas e ser perseguido por uma legião de mortos-vivos não ajuda. O herói cansado da sua busca, será obrigado a superar todos os obstáculos para nos mostrar uma das histórias mais emocionantes que surgiram no XBLA. Desenvolvido pela Tequila e com a ajuda da Microsoft Studios, Deadlight para XBLA exibe a sua qualidade inquestionável por apenas 1200 pontos Microsoft, desta vez com um projeto diferente daqueles que o público está habituado a ver na loja online da Microsoft. É difícil ter sucesso, mas é ainda mais impressionante ver como grandes títulos não conseguem acompanhar em termos de qualidade jogos com apenas uma pequena percentagem do orçamento.

Mas o que é de tão especial em Deadlight? Não é fácil conseguir transmitir a qualidade de Deadlight em texto, mas vou tentar. Estamos  diante de um novo estúdio formado por membros que decidem usar a sua vasta experiência para criar uma obra que está fora das normas estabelecidas pela indústria. A chave estava em jogar com a iluminação dos ambientes do jogo marcado por um visual de grande qualidade. Com uma perspectiva 2.5D escolhida, um formato menos exigentes em termos de texturas, mas que pode deitar tudo a perder quando se falha de  fundos pouco cuidados.  Obviamente, para ter uma interface gráfica capaz de surpreender, era imperativo tecer uma estória que fosse pelo menos tão intensa que mantivesse a qualidade. Então Wayne Randall foi eleito como o protagonista: um americano típico, que consegue com esforço sair ileso de situações apertadas.

É o grafismo que se destaca em Deadlight, mas o uso de luz e contraste para transmitir o terror que o protagonista sente ao entrar em prédios escuros, enquanto um fraco raio de luz mostra os objetos que decoram tanto interiores como os exteriores. Passeando pelo mundo de Deadlight não exige muito da nossa imaginação, mas para sobreviver é preciso ter atenção ao ambiente que nos rodeia. Os elementos que nos cercam pode ser a diferença entre a vida e a morte. Qualquer item que aparece nos cenários por onde corre Randall tem uma função específica. Na verdade, os criadores dizem que eles foram inspirados por jogos de terror de sobrevivência para dar profundidade ao jogo. Mas os saltos e acrobacias são a melhor saída para Randall sobreviver.

Deadlight é um jogo de terror de sobrevivência, que se concentra em 2D. Há uma sensação de profundidade graças ao que é conhecido como 2.5D. Enquanto Randall tenta evitar os zombies,  todo o cenário continua vivo com muito a acontecer por trás. Há muitos jogos que usaram esta técnica no passado, mas poucos foram capazes de atingir a mesma qualidade. O objectivo em Deadlight é fazer com que o jogador se sinta num mundo caótico. Como em todos os jogos bidimensionais, Randall move-se caminhando da esquerda ou para a direita. Pode saltar para subir uma escada ou simplesmente subirem lentamente.Normalmente apenas morremos por duas razoes, culpa nossa quando falhamos um salto por exemplo, ou porque ficamos encurralados por uma horda. Além da normal vida da personagem há ainda uma barra de stamina que dita se podemos ou não correr.

Randall tem acesso a uma grande área e pode correr ou sprintar. Há mecanismos como alavancas que dão acesso à zona seguinte, grandes blocos que Randall pode usar para chegar a escadas, normalmente não é muito difícil encontrar o caminho. A lista de escolhas a fazer durante o jogo não é muito grande. No inicio apenas têm os vossos punhos para se defenderam, mas mais tarde irão encontrar um machado, uma arma ou uma faca. O jogo tem uma identidade única e personalidade. Embora seja essencial calcular os nossos movimentos, sabemos exatamente como evitar um zombie. As armas oferecer um ponto de resistência à ameaça dos mortos-vivos mas evitar disparar é normalmente o melhor a fazer. Por esta razão Deadlight é realmente um survival horror. Há armas, mas com munição extremamente limitada. Deadlight  é uma aventura que pode ser concluída com relativa facilidade, havendo depois leaderboards que convidam à repetição, isto se os fantásticos cenários e jogabilidade já não o fazer por si próprio.

Randall não sabe nadar e há falésias que não consegue saltar que quebram o ritmo do nosso percurso e criam variedade na aventura. É a astúcia que funciona e a Tequila pretende que o jogador a use para sair das situações mais complexas.  A atmosfera é reforçada com cada ambiente e com todo o detalhe presente: pássaros, a luz, edifícios degradados e tudo o que vai acontecendo.  A variedade de cenários é incrível. O zoom, animações e a vista do horizonte o trabalho da Tequila Works é simplesmente excepcional.

A utilização de ambientes é essencial para o jogador entender  que o movimento é a melhor arma contra os inimigos. Os zombies são de baixa ou zero inteligência. A exploração é essencial para descobrir objetos que nos permitam ter uma melhor compreensão do que está a acontecer no mundo da Randall, assim como a  sua personalidade ou os motivos que o impelem a continuar a sobreviver apesar da solidão. Daí a importância dos objetos filho que descobrimos enquanto viajamos.  Por sinal, também tem tempo para descobrir imagens de famílias destruídas, restos de uma vida passada. São quase 80 páginas de Deadlight oferecidos durante as primeiras horas de jogo, provavelmente para evitar gastar mais recursos para explicar a história do passado, dando destaque para o que está para acontecer.

A quantidade de objetos em destaque é o incentivo para terminar a aventura uma segunda vez depois de uma tarefa que não é particularmente complexa, uma vez que se familiarizam com os pequenos “truques” que a Tequila utiliza para complicar a vida do jogador. As seis horas que passamos a terminar a história principal pode ser facilmente extendidas para 8 (ou até 10) se tentarem saber mais sobre o mundo de Deadlight. O acesso a estes segredos é principalmente uma questão de Randall para mergulhar em áreas infestadas por zombies, ou apenas onde é imprescindível a utilização de uma agilidade felina para evitar cair do penhasco. Os controlos podem não ser sempre fiáveis, sendo necessário por vezes repetir uma área sem termos grande culpa.

Em Deadlight o importante é a sobrevivência. Randall é uma personagem que lentamente demonstra as razões pelas quais ele se torna o protagonista da história. A verdade é que é uma história psicológica que oferece mais do que uma simples aventura. Transmite essa impressão desde a primeira etapa até a última, onde o uso dado à luz ganha destaque ainda maior do que papel do nosso herói. Alguns puzzles bastante complicados testam a nossa capacidade de ir além da nossa habilidade, trazendo novos elementos para combinar com a componente psicológica.

Deadlight destina-se claramente para o formato digital e apesar de haver muita concorrência vai ser difícil encontrar um jogo que seja capaz de alcançar em qualidade a excelência de Deadlight. Felizmente em formato  digital aparecem propostas mais pessoais,que nos surpreendem. Deadlight merece ser no centro das atenções e se este é o primeiro jogo da Tequila Works não posso esperar para ver o que vem a seguir.

Pontuação: 9/10

Tiago Roque

Leave A Comment