Análise Party of Sin

Party of Sin abre com os sete pecados capitais em fuga do inferno. É uma boa premissa e deliciosamente genial. À medida que avançam através do inferno, purgatório e de outras regiões que não vou revelar, vão ver que além da boa premissa Party of Sin tem muitos outros aspectos bons. Com raiva, ganância, gula, inveja, orgulho, luxúria e preguiça vão tentar chegar ao fim de vários níveis de plataforma com cenários coloridos e no geral uma boa experiência.

Todos os pecados em Party of Sin tem suas próprias habilidades, é claro. Raiva pode usar interruptores especiais ou esmaga certas paredes. Greed tem uma corrente que permite arrastar itens e inimigos em direcção a ele, e ele pode ser usado para agarrar-se a determinados pontos. A gula pode engolir cubos para resolver puzzles, e ele pode até engolir inimigos para recuperar vida. A inveja pode disparar um laser verde que acende tochas e queima inimigos. O orgulho pode cortar com a sua espada para desviar projécteis ou para um salto em distância. Luxuria pode inutilizar os inimigos com charme colocando-os num estado amigável, e ela também pode criar plataformas. Finalmente, a preguiça pode retardar objectos e inimigos. Como já tinha dito a criatividade é imensa e Party of Sin é super divertido.

Essas habilidades dão a Party of Sin uma sensação de Metroid. Vão encontrar segmentos de plataforma e puzzles que requerem o uso de muitos pecados. Embora ambos são divertidos, eles também têm alguns problemas. Saltos e movimento é um pouco pegajoso, e quando muito do jogo depende de saltos bem cronometrada e habilidades, este é um problema. Quanto aos puzzles, muitos usam as habilidades dos pecados. Infelizmente, alguns enigmas deixam a sensação de terem sido pensados só para o modo co-op.

O combate é, sem dúvida, a parte mais fraca do jogo, que implica ir clicando sobre os inimigos até que eles morram. As habilidades ajudam a combater um pouco, mas parece desleixado no geral. Isso vale o dobro para algumas batalhas, onde o jogo pode realmente deixar de funcionar se não derrotarem o boss da maneira como os criadores pretendiam. Em cima disto, a capacidade de Gula para engolir inimigos completamente quebra de combate: podem simplesmente engolir qualquer inimigo – independentemente de suas defesas-, esperar até que estejam curados, e engolir outro. Enquanto que no resto do jogo podem realmente precisar de todos os pecados a verdade é que no combate este sistema não funciona.

Os níveis em Party of Sin também têm itens para apanhar. Os inimigos soltam  maçãs vermelhas, que nos curam e contribuem para a pontuação de conclusão de nível. Os inimigos também ocasionalmente deixam cair almas, que também contribuem para pontuação final. As maçãs verdes funcionam como as moedas grandes em New Super Mario Bros. Estes podem depois ser gastos na loja para melhorar as habilidades dos pecados . A melhor parte é que as maçãs verdes são transferíveis, podem movê-los na loja para experimentar os vários upgrades. Também podem tropeçar em maçãs de prata nos níveis que nos dão invencibilidade durante um curto tempo.

Sempre que completarem um nível em Party of Sin, o ecrã de conclusão dá incentivo para jogar mais. Vão ver quantas maçãs verdes que perderam e um diagrama de quanto usaram cada pecado, mas isso é apenas o material de cortesia.  Infelizmente o co-op apesar de estar disponível o que é bom está apenas disponível localmente. Um modo online seria bastante bem vindo, especialmente quando fica a ideia que parte do jogo foi pensada para mais do que um jogador.

Party of Sin tem seus problemas, mas também tem as suas virtudes. As plataformas – a peça chave do jogo – são difíceis às vezes, mas rapidamente ultrapassam a dificuldade para percorrer os níveis elegantes e ver o que o jogo tem para lhe mostrar. O combate é fraco, mas é claro que a equipa de criadores tinha boas ideias lá, infelizmente no combate não funcionam. O co-op é divertido quando podem experimentá-lo, limitando-o a jogar offline é uma má jogada. Um modo co-op online traria um novo charme a Party of Sin. Pelo lado positivo, o jogo tem um visual fantástico, e as ideias que os criadores tinham a respeito de actualizações e repetição dos níveis são boas. É um bom jogo que merece ter o seu sucesso, se a Crankshaft conseguir resolver alguns dos problemas numa sequela pode ambicionar um novo nível de sucesso.

Pontuação: 7.9/10

System Requirements

Minimum:

    • OS:Windows XP
    • Memory:1 GB RAM
    • Graphics:DirectX 10 compatible GPU
    • DirectX®:10
    • Hard Drive:250 MB HD space

Recommended:

    • OS:Windows 7
    • Memory:4 GB RAM
    • Graphics:DirectX 10 compatible GPU
    • DirectX®:10
    • Hard Drive:250 MB HD space

Tiago Roque

Leave A Comment