Análise Rage

A id Software tem uma vasta experiência de 20 anos já e melhor que isso a verdade é que têm sido anos marcados por uma qualidade acima da média. Muitos dos jogos da id, representam o expoente máximo dos FPS e o seu ADN está presente na maior parte dos FPSs actuais. No entanto lançar um novo FPS actualmente é diferente, o mercado está saturado por bons jogos, é aliás um dos géneros mais populares e com maior numero de lançamentos.  Rage tem um aspecto fantástico e uma boa jogabilidade mas está cheio de peculiaridades que podem não agradar aos jogadores FPSs contemporâneos. Não há checkpoints, os jogadores não podem pegar as armas das suas vítimas, o online competitivo está reservada aos veículos, não havendo a possibilidade de jogar a componente FPS e as maiores e melhores batalhas estão a meio do jogo e não no fim.

Depois, há a questão do design dos níveis que recicla ambientes e inimigos, e realmente esvazia a experiência nas partes finais – o final é abrupto, sem imaginação e abismal. A história não é lá grande coisa, enquanto o mundo pós-apocalíptico de Rage é preenchido com ambientes criativos e interessantes, maior do que a vida dos personagens, o enredo acaba sem realmente chegar a algum lado, o grafismo e jogabilidade merecia sem duvida uma melhor história. No momento em que os créditos finais aparecem, não há nenhuma sensação de resolução ou dever cumprido. Antes que isso aconteça, os jogadores passam o tempo todo a procurar missões de NPCs, que envolvem principalmente conduzir até algum lugar, disparando em alguns inimigos e recolher um item ou dois.

As narrativas atraentes nunca foram o ponto forte da id Software e esse é o principal problema de Rage, no entanto consegue compensar com uma jogabilidade e mecânicas de combate que nos agarram ao jogo. Como uma vitrina do novo motor da id, Rage é um espectáculo. O movimento no jogo é incrivelmente habilidoso e preciso, não há recorte e a frame-rate nunca diminui. Os visuais inicialmente parecem muito semelhantes aos de Borderlands, mas depois de cerca de três horas em, Rage distingue-se pela adição de camadas crescentes de vísceras, destroços urbanos e areia industrial. As armas de Rage são as standard do género, mas também foram todas ajustadas ou modificadas de alguma forma que as diferencia das presentes nos jogos do género. As armas não são particularmente interessantes quando são introduzidas pela primeira vez, mas depois de a carregar com uma camada de upgrades e balas especiais vão sentir um enorme aumento no seu poder.

Conforme o jogo avança, os jogadores serão capazes de encontrar ou comprar esquemas, permitindo-lhes criar uma série de itens que vão desde os tipos de munição para novos aumentos de performance a robôs sentinelas. Os jogadores têm quatro slots  que podem ser atribuídos a um item e, em seguida, pode alternar entre eles facilmente.  Tudo isso somado a um shooter incrivelmente divertido e viciante, que pode satisfazer praticamente qualquer estilo de jogo.  Rage brilha mais quando os jogadores customizam as suas armas, encontrar exatamente a combinação mortífera certa para cada grupo de inimigos que encontram. Há medida que o jogo avança isto pode tornar-se essencial para a vossa sobrevivência. A acção FPS no núcleo de Rage é sólida e tão divertido que é quase uma pena a id Software decidir adicionar um jogo de condução em cima dele. Os jogadores navegam o ambiente do jogo pós-apocalíptico em uma variedade de veículos, começando com uma moto-quatro  até alguns carros musculados com influencia de Mad Max.

Também podem reforçar os vossos carros, comprando melhor armadura, pneus, pára-choques, pinturas e armas como lançadores de rockets, metralhadoras e canhões. O problema de tudo isso é que nenhum mecânico no jogo vai vender as peças do carro do jogador e armas por dinheiro. A única moeda que está disposto a receber são certificados de corrida e estes só podem ser ganhos por competir e ganhar muitas corridas no jogo. Há uma boa variedade de corridas incluindo maior parte dos modos presentes noutros jogos assim como modos com maior ênfase na acção destrutiva de Rage. Estes não são muito maus para começar, mas como as coisas progridem, as corridas  tornam-se irritantes guerras de atrito. As corridas não são o único mini-jogo Rage, mas é sem dúvida o melhor. Fora isso, os jogadores podem ganhar dinheiro  fazendo missões de NPCs, jogar uma variedade de jogos, incluindo jogos de pub como um jogo de cartas, que tem algumas semelhanças com Magic: The Gathering e tomando parte em Mutant Bash, um programa de TV dirigido por um louco.

Fora da campanha, que terá cerca de 12 horas, Rage oferece dois modos multiplayer. O primeiro é uma aventura co-op separada, cujas missões são baseadas em algumas das histórias que o jogador vai ouvir a partir de NPCs na campanha principal. O segundo, é um modo de corrida competitivo em que até seis jogadores podem combater em arenas. Basicamente é o mesmo modo do jogo singleplayer mas online. Infelizmente não existe um modo competitivo de acção FPS normal, o que é um pouco difícil de perceber uma vez que poderia ser facilmente criado a partir de alguns cenários do jogo.

Rage é uma experiência que deixa sentimentos mistos. Não é perfeito, algumas mecânicas são antiquadas e não marca para industria um marco importante como Quake ou Doom marcaram quando sairam. Mas ainda é um shooter muito atraente e incrivelmente divertido, e em seus melhores momentos é divertimento puro. É verdade que outros atiradores provavelmente irão vender mais unidades do que Rage, mas poucos conseguem ter uma jogabilidade tão divertida, infelizmente história não consegue acompanhar o resto.

Pontuação: 9/10

System Requirements

Minimum:

    • OS: Win XP SP3, Vista, Win 7
    • Processor: Intel Core 2 Duo or Equivalent AMD
    • Memory: 2GB
    • Hard Disk Space: 25GB
    • Video Card: GeForce 8800, Radeon HD 4200

Recommended:

    • OS: Win XP SP3, Vista, Win 7
    • Processor: Intel Core 2 Quad or Equivalent AMD
    • Memory: 4GB
    • Hard Disk Space: 25GB
    • Video Card: GeForce 9800 GTX, Radeon HD 5550

Tiago Roque

Leave A Comment