Análise: Disgaea 5 Complete

Disgaea é uma das minhas séries favoritas. Não tenho propriamente grandes razões para isso, apenas tenho as memórias que passei com o primeiro jogo. Não cheguei cedo à série, uma vez que as memórias que tenho foram a jogar o primeiro na sua versão PSP, mas foram tantas as horas que não posso deixar de o considerar um dos meus favoritos. Aquilo que me atraiu foi o seu mundo, o humor das personagens e sem duvida a jogabilidade que embora simples, tem uma profundidade enorme.

Esta nova entrada na franquia da Disgaea traz consigo mais um Overlord malvado em busca de vingança. O seu alvo é um imperador Void Dark, um demónio actualmente ocupado ocupando todos os infernos, ou netherworlds, que existem. Se já jogaram Disgaea 5 quando saiu na PS4, tudo se mantém relativamente igual. A edição Nintendo Switch é principalmente o mesmo jogo. A principal diferença é a inclusão de todos os DLC. Pelo preço qualidade então esta é a melhor do versão do jogo e se são como eu e a vida fez com que tenham mais tempo para jogar fora de casa do que dentro, então a portabilidade da Switch assenta que nem uma luva em Disgaea.

Disgaea é um RPG estratégico, ou seja, a importância da criação da personagem é tão importante como o seu posicionamento no campo de batalha. Coleccionar as várias personagens do jogo acaba por ser um pequeno objectivo e quando o numero de personagens disponíveis aumenta exponencialmente com os DLCs incluídos nesta versão, então o vicio está garantido. Qualquer fã da saga vai acabar por passar mais tempo fora de combate a criar o seu grupo de demónios do que realmente a combater nos combates por turnos do jogo. Apesar de se manter fiel à maior parte das regras , esta série acelera bastante a maioria das mecânicas de jogo. Enquanto que a maior dos jogos do género por exemplo não possibilita que as personagens se tornam mais poderosas do que um certo limite, em Disgaea podemos chegar ao ponto se ser totalmente invenciveis. O jogo premeia o esforço e dedicação que se deposita nele dessa forma e isso apesar de simples, faz toda a diferença tornando o jogo diferente de tudo que há no mercado.

Seja pelo humor ou pela jogabilidade, se são fãs da saga não podem deixar de jogar o quinto capitulo e mesmo aqueles que já jogaram, a realidade é que Disgaea funciona muito melhor “on the go”. A portabilidade ajuda a tornar as nossas personagens cada vez mais fortes e a explorar todos os recantos do jogo.

Tiago Roque

Leave A Comment