Análise: Fjong

Do criador de Plantera vem Fjong, um jogo adorável com um aspecto colorido muito similar ao jogo referido do mesmo criador. As mecânicas do jogo são simples e estão mais indicadas para um smartphone. Com um preço de menos de 2€ a quantidade de conteúdo não poderia ser muita, mas a realidade é que Fjong é realmente curto, durando menos de meia hora para completar todos os níveis do jogo.

A curta duração do jogo acaba por tornar o fluxo da experiência um pouco estranha, uma vez que o jogador conhece novos elementos do jogo quase até ao final. O objectivo do jogo é simples, lançar a nossa pequena personagem para um balde de doces. Para isso temos de controlar direcção e força e apenas isso, não existe qualquer outra variável em jogo. No entanto passado alguns níveis somos introduzidos às personagens vermelhas e amarelas, que juntamente com a azul que conhecemos desde o início completam o leque de personagens.

A diferença entre as três personagens é na impulsão. A primeira personagem que controlamos tem um salto médio, a segunda um salto grande e a ultima, o grande amarelo, tem um salto muito curto. Além disso cada uma tem um peso diferente o que acaba por ser utilizado apenas num dos níveis. As ideias de Fjong acabam por ser boas, mas nenhuma delas é muito original e com tão pouco conteúdo é muito difícil recomendar o jogo. Não existe nada mais para falar, não há editor de níveis e não me parece que vá chegar mais conteúdo no futuro. Graficamente o jogo até é colorido, mas é um jogo que nem sequer ocupa o ecrã, fica apenas ao centro como se fosse feito para jogar um smartphone ao alto. Fica a valer pelas cartas da Steam que pode ser relevante para alguns, mas para mim não posso recomendar um jogo que oferece tão pouco mesmo que também custe pouco.

Tiago Roque

Leave A Comment