Análise: Veterans Online

Veterans Online é um top-down shooter que combina promete combinar o melhor dos jogos clássicos arcade old-school com a evolução que os jogos modernos online competitivos trouxeram. Projetado para ser apreciado por jogadores casuais e hardcore, Veterans Online oferece uma experiência polida e gratificante, mas que falha em atraír jogadores, o que infelizmente torna o jogo quase impossível de jogar neste momento, tão difícil que me levou a adiantar esta análise relativamente a tudo o resto que tinha em backlog e de forma a tentar ajudar um pouco o jogo da única forma que posso, porque quando consegui jogar gostei bastante do que Veterans Online oferece. É um jogo com falhas sim, mas não conheço nada realmente parecido no mercado e há muito espaço para crescer e criar aqui algo realmente especial.

O jogo conta por agora com um punhado de mapas e personagens e algumas opções de customização para as personagens. Existem também uma série de DLCs cosméticos já à venda na Steam, o que é normal já que Veterans Online é um jogo gratuito que assenta num molde justo já que  não há nada à venda que afete a jogabilidade. Nos poucos jogos que consegui fazer também concluí que não existe realmente nada à venda nem com moeda virtual do jogo que afete a jogabilidade, o que coloca todos os jogadores ao mesmo nível, sempre. No entanto, no que toca a itens cosméticos não é muito fácil conseguir mudar muito a personagem sem recorrer à loja de dinheiro real.

A jogabilidade de Veterans Online é simples, existindo pouco mais do que correr e disparar. Existe uma barra de HP e outra de energia que é utilizada para correr ou rebolar. Um aspecto que gostei bastante é a possibilidade de utilizar um veículo para encurtar distâncias. Os mapas de Veterans Online não são muito grandes, no entanto o uso do veículo permite-nos ajudar a nossa equipa mais depressa quando estão um pouco mais longe. Algo que separa também um pouco este jogo de outros do género é uma ideia que parece vinda de Counter Strike, já que começamos apenas com uma pistola mas podemos comprar mais armas que vão desde metralhadoras, a caçadeiras e até a lança rockets. Tal como no jogo em que penso esta mecânica ter sido inspirada podemos também trocar de arma com uma perdida por um inimigo ou aliado abatido.

Em termos de modos não há muito para falar por agora. Existe captura da bandeira que talvez seja o mais jogado já que é um modo que praticamente toda a gente conhece e depois existe um modo que não me lembro de ver exatamente desta forma em outro jogo. No mapa é criada uma zona que as duas equipas tentam conquistar e depois defender. Defender e atacar zonas é algo já visto em outros jogos, no entanto aqui a zona mexe-se, o que vai colocando mais perto ou mais longe das zonas de “respawn”. Isto torna o modo instável em termos de dificuldade. Quando a zona está mais perto da nossa base é mais fácil regressar quando morremos e o oposto acontece quando a zona está mais perto da zona de respawn do adversário.

Veterans Online poderia ter melhor progressão e mais itens de customização e até algum polimento adicional, mas aquilo que precisa realmente é de jogadores. Por muito bom trabalho que seja feito aqui, sem jogadores vale basicamente zero já que o jogo não tem qualquer interesse sem outros jogadores e não encontrei sequer forma de jogar contra adversários IA. Pesquisando nos foruns da Steam encontrei algumas respostas dos criadores que abordam o problema da falta de jogadores e que dão como explicação a falta de exposição que foi feita do jogo, chegando a apelidar o lançamento do jogo como um “soft launch” e que haverá um “hard launch” no futuro em que irão realmente investir em marketing. Isto explica a falta de jogadores, mas parece-me uma estratégia totalmente errada já que quando existir investimento em marketing, o jogo já passou a pequena janela em que poderia explodir.

Veterans Online é um jogo razoável, com boas ideias, mas precisa urgentemente de jogadores.

Tiago Roque

Leave A Comment