Análise: Sentinels of Freedom

Sentinels of Freedom é um RPG tático no universo de Sentinels of the Multiverse, um jogo Table Top do qual não tenho grande conhecimento. Tenho uma coleção de jogos Table Top já considerável mas não posso dizer que conto com  Sentinels of the Multiverse na minha coleção, mas se há algo capaz de me cativar o interesse num jogo de tabuleiro é ver  uma boa adaptação dele em videojogo, mesmo que não seja uma réplica do jogo em si, simplesmente algo inspirado no seu universo.

Sem conhecimento profundo sobre Sentinels of the Multiverse, apenas sei que é um jogo de cartas sobre heróis e vilões. O jogo começa com um editor de personagens que é bom o suficiente para podermos fazer alguns personagens de aparência decente. A quantidade de itens que podemos utilizar para a criação da personagem é razoável. No final do jogo podemos escolher três de uma ampla variedade de conjuntos de poder e combiná-los com origens, tipos de treino e personalidades que determinarão o papel e as capacidades do nosso herói. As personagens já existentes com os quais lutamos têm uma diferença notável em seus estilos de jogo e são versáteis o suficiente para que se possa trazer quem quiser a qualquer momento.

 

Após uma breve introdução ao cenário e a alguns dos heróis e vilões pré-existentes, vamos para o nosso quartel general e aqui iremos personalizar as nossas personagens desbloqueando novas habilidades, determinando quais conjuntos e habilidades que eles equiparam e decidindo em qual missão iremos em seguida. As próprias missões tendem a parecer semelhantes depois de um tempo e começa a parecer tudo um pouco mais do mesmo. As missões em si têm realmente pouca variedade e incentivo para uma longevidade muito grande. Este é talvez o factor do jogo menos conseguido e acaba por sacrificar muito da atração a longo prazo do jogo.Os pontos de ação (AP) são o principal recurso de combate e são usados ​​em movimentos, usados ​​para habilidades e gastos para interações com o ambiente e objetivos. Diferentes heróis e conjuntos têm diferentes níveis de eficiência, ou seja mover uma das personagens pode gastar apenas um ponto para uma longa distância mas com outra apenas alguns passos podem gastar uma mão cheia.

A apresentação geral de Sentinels of Freedom não é terrível mas está longe de estar ao nível da de um jogo AAA. O estilo de arte é decente, mas muitas vezes fica aquém de todo o seu potencial, caindo até um pouco no campo do genérico. O design de som também não é da melhor qualidade, embora a banda sonora tenda a ser cativante. Como jogador regular de jogos indie começo a encontrar muitos jogos visualmente semelhantes em dois estilos diferentes, a pixel art de enorme qualidade que faz com que muitos jogos pareçam iguais e jogos com visual 3d low poly que tem o mesmo efeito e Sentinels of Freedom cai neste último.

Sentinels of Freedom é um jogo divertido no univeso de Sentinels que traz consigo o benefício adicional de ser familiar para aqueles que gostam do seu material original. É bastante simples no que diz respeito ao género em que se enquadra, mais simples do deveria ser já que deveria apontar para um público mais adulto em vez de um público casual. Se são fãs do material de origem vão encontrar muito do que gostar mas o jogo não irá retribuir em profundidade. É no fundo um jogo agradável mas superfícial que não desaponta mas também não deslumbra.

Tiago Roque

Leave A Comment