Antevisão: Cloud Gardens

Cloud Gardens é um promissor jogo muito zen que tem a natureza como mecânica e inspiração principal. Cloud Gardens tem dois pilares principais em sua jogabilidade, uma seção de puzzles baseada em níveis e um modo sandbox onde o jogador pode largar toda a sua imaginação. O primeiro dos dois requer que se cultivem plantas e árvores sacudindo suas sementes no cenário, colhendo os frutos para obter energia e utilizando essa energia para criar novas sementes de uma forma cíclica. O crescimento das plantas é estimulado pelos objetos que se coloca ao seu redor, o que significa que se devem planear os dioramas cuidadosamente para maximizar a barra de progresso e isso fornece um desafio decente. A progressão da dificuldade não são particularmente lineares, os níveis finais de cada cluster tendem a ser significativamente mais difíceis do que os outros.

Certos níveis também têm várias seções para limpar, com os blocos iniciais evoluindo conforme se se constroi o diorama. Não há pontos de verificação nesses níveis e portanto podemos gastar muito tempo no nível apenas para descobrir no fim que teremos de recomeçar novamente. É uma procura por uma mistura imersiva pode também se pode encontrar noutro lugar, especialmente quando se considera que Cloud Gardens não vem com instruções, pelo menos nesta altura já que o jogo se encontra em Early Access na Steam. A exploração e experimentação são as chaves para desbloquear todo o  potencial do jogo, deixando o jogador sozinho com sua própria iniciativa. É realmente uma experiência introspectiva que nos estimula a contemplar cada escolha que fazemos.

O modo sandbox de Cloud Gardens vem com uma série de adereços que garantem que temos muitas ferramentas à nossa disposição desde o início. Ao jogar e completar cada nível, os jogadores desbloqueiam mais e mais itens que podem utilizar ao decorar o seu diorama no modo sandbox. Isto pode limitar um pouco o início do jogo e os jogadores mais interessados nesta faceta do jogo, mas dá aos jogadores razão para o modo de campanha. Para jogadores orientados para o modo sandbox, existe o incentivo de itens estéticos para desbloquear e para jogadores voltados para a campanha, existe a tentação de exibir as suas recompensas.

Relativamente à componente audiovisual de Cloud Gardens, o jogo baseia-se numa aparência em blocos e o contraste entre esses obeliscos de betão frequentemente monolíticos e as plantas de fluxo livre que crescem para envolvê-los cria um excelente contraste. Mas há muito mais variedade no elemento visual do jogo do que apenas betão. Estruturas de tijolos, torres de água, rampas de skate, câmeras e antenas parabólicas são  alguns dos objetos que constituem o noso inventário. O jogo utiliza um estilo lo-fi pixel para criar sua estética que combina perfeitamente com as inspirações de design mais amplas. As opções de design visual alinham-se perfeitamente em todos os níveis. Cloud Gardens tem também um design de som muito bem conseguido com notas suaves e brilhantes que criam uma gama sonora impressionante.

A jogabilidade é também muito simples mas funcional. O esquema de controlos em si consiste em clicar com o botão esquerdo do rato e arrastar e tocar levemente, mas ainda há ainda algum trabalho a ser feito, especialmente no que diz respeito à camera do jogo, algo que pode facilmente ser feito até ao lançamento do jogo já que ainda está em acesso antecipado. Acredito que muito do trabalho que falta seja em termos de conteúdo mas há espaço para limar algumas aresnas em aspetos técnicos. Cloud Gardens é uma experiência meditativa com muito potencial e que irá agradar a quem gosta de experiências lo-fi e muito zen.

Tiago Roque

Leave A Comment