Análise: Airplane Mode

Airplane Mode é a entrada da AMC no mundo dos videojogos. Enquanto que outras empresas poderiam começar com um grande blockbuster ou um jogo sólido mas conceptualmente convencional, a AMC começou com um simulador completamente inesperado e que tenta recriar o aborrecimento de andar de avião. Airplane Mode é uma versão não convencional de um simulador de vôo, já que em vez de rasgar os céus, os jogadores ficarão presos dentro de um voo comercial, ou melhor num dos dois voos que o jogo tem a oferecer. De resto a experiência vem completa com serviço de alimentação, eventos aleatórios, filmes e variadas outras distrações, sendo o objectivo fazer todo o voo em tempo real sem desistir.

As duas opções de voo que os jogadores têm à escolha em Airplane Mode são essencialmente as mesmas, com a única diferença a ser o tempo que o vôo dura. Há um voo do aeroporto JFK para Halifax, Canadá, que dura 2 horas e 5 minutos e o voo JFK para Reykjavík, Islândia, que dura 5 horas e 45 minutos. Qualquer que seja o vôo escolhido, o jogo funcionará da mesma forma. Os jogadores começam nos seus assentos na janela, sendo solicitados a colocar o cinto de segurança e depois veêm um pequeno vídeo de segurança. Assim que o avião levanta vôo os jogadores terão algumas opções de eventos no jogo para ajudar a passar o tempo. Há televisões em cada acento onde os jogadores podem escolher quatro filmes de domínio público, jogar versões básicas de jogos de cartas como solitário ou blackjack e há também uma revista de bordo que os jogadores podem ler.

O jogador tem também a sua mochila cheia de itens que consomem muito tempo como um bloco de desenho completo com uma caneta esferográfica, o romance de 1884 “Against the Grain” um par de headphones e o smartphon. O telefone contém podcasts originais, uma câmera e muitas fotos de gatos. Existe também um sistema de randomização em funcionamento e cada voo parecerá um pouco diferente, mesmo se for o mesmo voo que acabámos de jogar antes. Alguns voos têm mais turbulência do que outros, os passageiros serão randomizados e podem até ter o azar de ficar perto de um bebé que chore a viagem toda. Acaba por ser uma tentativa decente de tornar o jogo mais apelativo à repetição, mas as coisas mais interessantes no jogo são sempre as mesmas. O livro de desenho por exemplo mantém os vários desenhos que forem fazendo, mas o telemóvel não guarda as fotos tiradas nos outros vôos.

Airplane Mode não é um jogo divertido. Muito sinceramente acho que nunca houve essa ambição aqui. Os criadores procuraram criar algo tão ridículo que se tornasse facilmente viral e chegasse dessa forma às vendas. Em parte acho que conseguiram e por muito que queira criticar o jogo, a verdade é que no se propõe a fazer, faz bem. Idealmente o jogo teria pelo menos um pouco mais de conteúdo, talvez mais alguns voos ou diálogo com as assistentes e personagens. Sinceramente uma intriga qualquer para dar alguma história ao jogo e teríamos aqui algo que eu até podia recomendar. É talvez o primeiro jogo que faz tudo a que se propõe e bem e mesmo assim não o consigo recomendar.

Tiago Roque

Leave A Comment