Análise: Forsaken World: Gods and Demons

Os MMORPG para smartphones não são na minha opinião uma experiência muito gratificante. No PC o género tem-se reenventado para se manter relevante mas mesmo assim tem mostrado dificuldade em ganhar terreno a World of Warcraft que continua a dominar o mercado. Ao mesmo tempo o género tem perdido muito público para jogos como Destiny que oferecem muitos dos mesmos sistemas, numa jogabilidade mais focada na ação, mais moderna e que é mais apelativa para o público moderno. Os jogos para smartphone deste género têm tentência a deixar o jogador simplesmente a ver e praticamente a jogarem-se sozinhos, algo que não me agrada minimamente e que gostaria de dizer que Forsaken World: Gods and Demons não faz, mas estaria a mentir.

Forsaken World: Gods and Demons é o mais novo título ambientado no universo de Forsaken World, o MMORPG de fantasia de mundo aberto desenvolvido pela Perfect World Entertainment e aquilo que mais salta à vista é que é um jogo bonito mesmo num smartphone. Forsaken World existe desde 2011 e é no geral muito familiar para quem já jogou algo desta editora. A estética do jogo vem das mitologias europeias e asiáticas e o objetivo da Perfect World é incorporar a estética e as características chinesas aos jogos que eles desenvolvem, e isso é evidente no Forsaken World, mas Forsaken World: Gods and Demons é bem mais asiático do que europeu.

Forsaken World: Gods and Demons oferece sete classes, cada uma com duas subclasses disponíveis. O Warrior é o equivalente a um tanque, com maior capacidade de sobrevivência, o Priest é o especialista em suporte e depois temos duas classes de ataque à distância, Gunner e Ranger. Enquanto o Gunner é uma classe híbrida com habilidades de ataque e suporte, o Ranger é ainda mais livre já que faz praticamente tudo. As três classes restantes são o Rogue que é ideal para PvP, o Mago, que é o verdadeiro canhão do jogo e existe ainda uma subclasse disponíveis para o Mago que se concentra no controle de multidão. Por fim temos o Vampiro que é uma classe realmente rara mas aqui é a classe que fornece magia negra e o seu foco está em debuffs e sobrevivência.

Com tantas classes e possibilidades de jogo à escolha, é realmente uma pena que o jogo praticamente se jogue sozinho. Obviamente temos a possibilidade de interagir mais se quisermos mas quando a maioria dos outros jogadores vai simplesmente clicar ocasionalmente e subir de nível é um pouco contraprodutivo investir muito tempo no jogo. Forsaken World: Gods and Demons mantem muito foco no recursos pelos quais os MMORPGs se tornaram famosos ao longo dos anos, a personalização das personagens e esta versão móvel não economiza nas opções disponíveis para o jogador. Esse tipo de personalização nem sempre está disponível quando se trata de MMORPGs para smartphones, e as opções costumam ser limitadas, mas felizmente, com Forsaken World: Gods and Demons, as mesmas opções de personalização encontradas em MMORPGs para desktop foram reformuladas para estarem todas presentes.

Acredito seriamente que Forsaken World: Gods and Demons tem um público, mas que está longe de ser eu. Apesar de ainda gostar do género, não consigo gostar daquilo que este se tornou em mobile, onde praticamente tudo se faz sozinho, mas se é algo que jogam, então Forsaken World: Gods and Demons parece ser realmente bom naquilo que faz.

Tiago Roque

Leave A Comment