Análise: Hot Wheels Unleashed

Um bom jogo baseado em Hot Wheels pode ser uma das melhores utilizações de uma licença de automóveis de sempre. Pessoalmente não percebo muito de licenças mas se um jogo baseado em Hot Wheels poder utilizar todos os carros que a Hot Wheels já recriou como carrinhos então temos uma lista invejável. Além de carros reais e criações originais, a Hot Wheels foi lançando alguns dos carros mais icónicos do cinema, alguns dos quais estão presentes neste jogo. Hot Wheels Unleashed tem portanto tudo para ser fantástico, mas a realidade é que a maioria dos últimos jogos com o nome Hot Wheels não me conquistaram. Felizmente, Hot Wheels Unleashed tem muito pouco em comum com esses títulos.

Hot Wheels Unleashed é a última tentativa de digitalizar os pequenos brinquedos de metal e é provavelmente o melhor jogo de Hot Wheels até hoje. Não há grande comparação possível, a realidade é que praticamente todas as escolhas feitas aqui foram as melhores possíveis e os criadores do jogo mostram o conhecimento e o gosto pelo material de origem para criar algo que caso fosse um jogo indie eu chamaria de trabalho de amor. Tendo isto em mente, Hot Wheels Unleashed não é um jogo perfeito, apresentando lacunas essencialmente no que toca a conteúdo. O jogo tem muitos carros sim, mas em termos de pistas e modos deixa muito a desejar, mesmo que no caso das pistas consiga disfarçar realmente bem.

O principal modo para um jogador é City Rumble, uma série de corridas dispostas num grande mapa com várias rotas e onde o plano é percorrer todas as corrida ganhando estrelas e recompensas ao longo do caminho. Estes eventos são o mais padrão possível num jogo de corrida, com corridas rápidas e contra-relógio, além de uma pequena dose de batalhas contra bosses à mistura, mas que são apenas corridas mais longas. Dentro das corridas rápidas temos algumas variantes como corridas de eliminação, mas não há um tipo de prova que eu considere que seja original e apenas possível de ser jogado aqui.

Este modo engloba aquilo que eu chamaria de “chegar ao fim” do jogo e é divertido o suficiente, oferecendo entre 6 a 10 horas a ser concluído, dependendo do nível de habilidade do jogador, mas com a maioria a ficar algures pelo meio, mas também depende muito do nível de dificuldade que escolherem. Infelizmente o jogo não nos recompensa por jogarmos em níveis mais altos já que as recompensas são as mesmas em todos eles. As corridas contra-relógio por outro lado não têm níveis de dificuldade e para chegar às melhores marcas podemos suar um pouco. O objetivo de completar todas as corridas é ganhar moedas e engrenagens. As moedas podem ser gastas em carros novos, enquanto as engrenagens podem ser usadas para melhorar os veículos que já temos na colecção. Ganhar as corridas é realmente metade da diversão apenas, sendo tudo o resto a parte de coleccionar os carros todos.

Neste momento podemos comprar carros de duas maneiras, sendo a mais comum gastando moedas em caixas aleatórias. Como o jogo tem 68 carros neste momento ainda iremos demorar algum tempo para ter todos os carros, especialmente porque podem calhar carros repetidos. Além desta forma existe uma opção de Oferta Limitada, que nos dá cinco carros aleatoriamente e que podemos comprar com a lista a ser actualizada a um intervalo de tempo fixo de tempo de jogo. A minha única critica a esta opção é que o tempo é realmente de jogo, não podemos sair e voltar passadas umas horas. Isto aumenta substancialmente o tempo de jogo se quiserem realmente coleccionar todos os carros.

Como podem ver irão gastar muitas horas dentro do jogo, por isso convém que a parte da condução seja pelo menos decente certo? Bem, não podia ser muito melhor para dizer a verdade. Ao contrário de outros jogos de Hot Wheels antes, este escolheu manter os carros em miniatura, com muitas daquelas pistas de plástico laranja e azul brilhantes onde voamos por todo o lado. Cada pista também tem um enorme pano de fundo da vida real, semelhante aos jogos Micro Machines. As pistas estão agrupadas em cinco temas e embora os layouts possam mudar radicalmente, as pistas começam a parecer semelhantes em pouco tempo. Como referia acima o jogo disfarça bem que essencialmente tem apenas cinco pistas e faz isso mudando os percursos e durante algum tempo é suficiente, pelo menos durante as tais 6 a 10 horas, mas quando tentamos coleccionar os vários carros começamos a notar.

A condução em si é também muito boa, mas requer alguma habituação. O controlo do carro é linear, mas o drift é um pouco estranho. Não que seja mau, simplesmente é diferente daquilo que estamos habituados, mas é também importante que o jogador domine esta mecânica porque é com drift que carregamos a barra de turbo. O turbo em si é uma maneira inteligente de adicionar alguma diversidade ao estilo de corrida de cada carro. Alguns carros têm um medidor de impulso que drena quando mantemos o botão turbo pressionado, enquanto outros têm um número definido de impulsos. Ambos podem ser recarregados com drift, mas cada um requer uma estratégia diferente. Os 68 carros variam de veículos licenciados reais até a designs mais ridículos e carros vindos do cinema como o Delorean do Regresso ao Futuro

Hot Wheels Unleashed é realmente muito bom, o melhor jogo da Hot Wheels para dizer a verdade, mas parece por vezes ser o início de algo que ainda vem aí. Espero no entanto que a grande maioria do que aí vem seja conteúdo grátis e apenas alguma parte seja DLC pago, já que gostava de ver ainda mais carros no jogo, mas acima de tudo mais ambientes, mais pistas e mais modos.

Tiago Roque

Leave A Comment