Análise Hyperdimension Neptunia MK2

O primeiro Neptunia Hyperdimension não foi propriamente um exito, tendo sido recebido com poucos elogios quando chegou ao ocidente. Apesar disso apareceu uma boa comunidade de fãs que gostaram do jogo original, infelizmente a maioria dos jogadores não conseguiram ignorar os seus problemas. Isso não impediu os criadores de voltar ao trabalho, tendo em conta o feedback dos fãs tentaram resolver os problemas do original com esta sequela, que é certamente, uma melhoria em relação ao primeiro jogo, falta é saber o quanto.

MK2 continua história após três do primeiro jogo e continua a ter lugar  no mundo do Gamindusti. Desta vez, porém, a história muda para as irmãs mais jovens das personagens do jogo original. No papel Nepgear, o jogo começa com os heróis do primeiro Hyperdimension capturados por uma organização conhecida como ASIC. Apenas Nepgear consegue escapar das profundezas do cemitério Gamindusti depois de dois amigos lançarem o poder do Sharicite, um cristal feito das esperanças do povo. Para terem sucesso precisam de ajuda, e assim vão numa aventura para encontrar todas as outras irmãs, para que possam ajudar e ter poder suficiente para salvar os CPUs cativos.

CPUs são personagens fortes e poderosas controladas pelo jogador durante o jogo. Um dos pontos que distingue a série Hyperdimension Neptunia é que o elenco e cenário são baseados em torno do mundo dos videojogos e especialmente as guerras entre consolas. Cada uma das personagens do jogo que podem adquirir, são baseadas em estúdios japoneses, como a Nippon Ichi, Idea Factory, Gust e coração Compile. As personagens CPU são baseados em consolas, com a Nepgear personagem principal agindo como a Game Gear. Mesmo as cidades têm influências de videogame, como Lastation, que brinca com a imagem de marca da PlayStation.

O tema por trás do jogo é o da pirataria com o Arfoire (os cartões R4 que minaram as Nintendo DS) que tenta dominar o mundo com a ajuda do CFW (Custom Firmware da PSP). Hyperdimension Neptunia tenta assim abordar o sério tema da pirataria com bom humor, apesar das piadas não terem tanta relação com jogos como no primeiro jogo.

Uma das melhorias primeira é o sistema de batalha e como se entra nos combates. Foi-se a taxa de encontro estupidamente alta; agora é substituído por inimigos visíveis que podem atacar antes de entrar no combate e que decidem se ficam atrás deles. As batalhas em si «receberam uma revisão bastante alta e são muito mais rápidas e fluidas na sequela. Ainda são batalhas por turnos, mas agora podem mover as vossas personagens. Quando é a vez do nosso personagem, um anel aparecerá no chão mostrando o quão longe se podem mover naquele turno. Isso abre um elemento mais estratégico sobre o primeiro jogo uma vez que têm que ter cuidado onde colocam os vossos heróis. Quando atacam ou são atacados  aparece a informação onde o ataque vai acertar. Isso significa que vários inimigos podem ser atingidos de uma só vez, mas que também é uma estratégia que pode funcionar contra nós,sendo melhor por vezes manter a equipe espaçada e ter a certeza que todos não são atingidos com o ataque. Ao mesmo tempo, alguém pode ser ferido e precisar de ser curado, nesse caso temos que estar por perto para o fazer.

Os ataques ainda são no mesmo formato do primeiro Neptunia, com um ataque de quebra rápido, pesado ou guarda. O uso de qualquer um desses movimentos vai custar AP, podem ligar os ataques até que não haja mais AP. Rápido e pesado vai trabalhar de forma mais eficaz, dependendo do inimigo, os ataque rápidos ajudam a aumentar a contagem de golpes para ganhar SP.  Smashing irá baixar a defesa para que possam infligir muito mais danos do que o normal. Conforme progridem através do jogo, mais ataques são desbloqueados.

As batalhas são geralmente muito fáceis, com apenas bosses ou monstros raros maiores oferecendo algum desafio, sendo preciso por vezes optar pela tarefa chata de subir de nível com inimigos fáceis.

As dungeons são pequenas em tamanho, criando sessões rápidas de jogo através de cada local. Lamentavelmente, os mesmos temas são usados ​​repetidamente por vários locais, criando uma sensação de déjà-vu. Parece preguiçoso não criar mais quando elas são tão pequenas. Inimigos são elementos da paródia a outros jogos. Vão encontrar adversários, tais como tubos ao estilo Mario, slimes, blocos de Tetris, plantas piranha e um certo professor que teve um grande sucesso com a formação do cérebro. Infelizmente a repetição fere o humor e acaba por perder o efeito inesperado.


As coisas mudaram também fora das batalhas. O único movimento que se faz é em masmorras, e tudo resto é feito através de menus. O mapa do mundo é agora um grande quadro com masmorras e cidades, que podem ser visitadas com um clique de um botão. Nas cidades, podem aceitar missões secundárias, comprar novos itens, criar novos itens e armas e falar com as pessoas que lá vivem. As missões são limitadas a matar ou colecionar coisas, nada espetacular ou emocionante. Falar com as pessoas nas cidades utiliza uma interface chamada Chirper que serve como o principal meio de comunicação com as pessoas. Chirper pode levar a cenas adicionais , construção de amizades e encontrar novos equipamentos.

Neptunia MK2 não é um marco tecnologico, mas os gráficos são melhores do que os jogo anterior. Modelos 3D a substituir a arte 2D, dando aos personagens mais personalidade e animações sobre as imagens fixas utilizadas anteriormente, embora a boca nem sempre corresponda. Geralmente, as cores são brilhantes que esbanjam num mundo de felicidade. O jogo é muito mais limpo também, com uma framerate mais sólida apesar de cair de vez em quando, mas nunca fica tão mão como no  jogo original. O áudio faz o trabalho, mas nada é memorável.

Hyperdimension Neptunia MK2 é facilmente um jogo melhor que o seu antecessor, embora não seja ainda para todos. O jogo é para um nicho de mercado ,tal como muito dos jogos da NIS, um mercado onde as pessoas gostam de animes. Se não se enquadram então vão odiar este jogo. Mas se até gostaram do primeiro então vão adorar o segundo.

Pontuação: 7/10

Tiago Roque

Leave A Comment