Análise Need for Speed Most Wanted

Need For Speed: Most Wanted não tem como objectivo ser um jogo de carros realista, muito do que é fisicamente impossível fazer na vida real é aqui uma realidade. É completamente arcade e superficial, no entanto é também fantástico, extremamente divertido e o melhor jogo do gênero de condução do ano.

O tema central NFS: Most Wanted é bem gasto, se não obsoleto. Dirigir sobre mapa num “mundo aberto” que contém uma cidade (“Fairhaven”), bem como montanhas, estradas, túneis e, se olharem forte o suficiente, uma linha ferroviária, e outras corridas de carros numa variedade de eventos ao mesmo tempo, evitando os policias enquanto a quantidade ridícula de acidentes faz o mundo à nossa volta parecer um cenário de guerra.

Agradavelmente, o mapa em si é variado, com um nível de detalhe bastante decente que lhe dá credibilidade, mantendo os atalhos obvios e sem encher as estradas com tráfego estranho. Sim, como a maioria dos “mundos abertos” (ver Forza Horizon e Driver: San Francisco) as coisas não são, na verdade, tudo o parecem. O jogo sabe onde quer que o jogador dirija, e, exceto em alguns lugares é difícil fugir dessa ideia. É também um circuito fechado tradicional. As auto-estradas não vão a lugar nenhum. Todos os caminhos levam a Fairhaven. Mas há um bom número de áreas mais ou menos escondidas, parques industriais e ferrovias para mantê-lo ocupado, e as mudanças na paisagem são inteligentes o suficiente para dar um verdadeiro sentido de lugar. Não é tão bonito como o Colorado da Horizon Forza, mas é mais divertido de conduzir ao redor.

O objectivo em NFS: Most Wanted é simples, ganhar corridas, ganhar credibilidade e derrotar os 10 pilotos na lista de Fairhaven de motoristas. Se se lembram do Most Wanted original vão encontrar muitas semelhanças. Se subirem na lista, vão correr contra os melhores e ganhar o seu carro, e assim por diante até o topo. É uma mecânica simples, de nenhuma maneira dramática, mas dá-lhe estrutura o suficiente para manter o jogador motivado – e os 10 veículos secretos também valem a pena adquirir.

Dito isto, em NFS: Most Wanted  cada outro veículo no jogo é desbloqueado desde o início, tendo o jogador apenas ter que encontrá-los. Observem um carro com a obra de arte distintivo indicador acima do capô e podem rapidamente passar para esse carro, muito semelhante ao sistema de Driver San Francisco. A partir do menu ‘Easydrive’ que está sempre à distancia de um ou dois cliques podem aceder a corridas, melhorias para o carro e qualquer outro aspecto do jogo.

O resultado de tudo isto é que o jogador pode começar a se divertir de imediato. Ao contrário de outros jogos, não têm que dirigir um Ford Mondeo por seis horas antes de conseguirem comprar algo decente, podem encontrar logo os vossos carros favoritos e seguir para as corridas.

A corrida em si funcionam muito bem, principalmente têm por base a diversão de conduzir um supercarro e não o realismo e pericia necessária para o fazer. A aceleração é incisiva e forte, curvas difíceis e atalhos são ridículos, mas no bom sentido, e cada pista se vão sentir nervosos e vão sentir o perigo num gênero arcade que não tira toda a noção de descrença.

Os melhores jogos NFS sempre foram aqueles onde o jogador pode correr a velocidades alucinantes pela cidade e NFS: Most Wanted não é diferente. A polícia é agressiva e persistente, mas não infalível e omnipresente, e o jogo parece julgar bem quando querem ficar presos numa perseguição e quando preferem passar despercebidos. O fato de que os acidentes nunca são fatais significa que as atividades podem continuar indefinidamente, e até mesmo se ficarem presos reaparecem sem nenhuma penalidade. Não deixa de ser um pouco frustante ser apanhado, mas não tira a diversão de tentar escapar.Não houve muito risco por parte da Criterion mas não deixa de ser emocionante.

O Multiplayer é onde NFS: Most Wanted realmente brilha. As tão apregoadas ‘características sociais – leaderboards integradas, armadilhas de velocidade , registros, desafios e outdoors que a atualização com a imagem do jogador com o salto mais longo, são todos agradáveis, mas é a corrida em si, que faz o jogo ganhar vida. Como correm ao redor da cidade com os vossos amigos a quebrar records,  e, geralmente, causando estragos, sentem-se como se estivesse de volta à escola a jogar capturar a bandeira no recreio, correndo de um lugar para outro sem pensar, exceto como o que soa como uma boa ideia no momento. É imediato e engraçado, e o jogo permite que as regras emergem em vez de lhe dizer como devem jogar.

Sim, os problemas são óbvios. Não é um jogo profundo, o número de corridas e modos de perseguição são poucos, os gráficos são ótimos mas facilmente notamos algumas falhas, como por exemplo o fundo dos carros ser plano.. Não há nenhuma história, nenhum personagem, não existe realismo. É um jogo arcade completamente old-school e que é mais próximo de Burnout do que NFS.

No entanto é impressionante.  NFS: Most Wanted consegue o que Horizon Forza faz mas faz melhor. É um jogo de condução em mundo aberto que é tanto anárquica e cuidadosamente concebido, em que o jogador vai passar horas apenas vendo o que pode fazer e a divertir-se.

Pontuação: 8.9/10

Tiago Roque

Leave A Comment