Análise Retrovirus

Nem todos os jogos que aparecem pelo KickStarter conseguem financiamento e Retrovirus é um desses. Felizmente isso não foi o suficiente para impedir o seu desenvolvimento, até porque como nós sabemos dos jogos que por lá passam são para que os produtores possam ganhar algum dinheiro rapidamente.

Retrovirus é um shooter com seis graus de liberdade onde jogamos como um antivírus, abatendo as ameaças que vão aparecendo nos sistemas informáticos  A gravidade não é importante para um antivírus portanto a liberdade é maior do que na maioria dos Shooters. As cores e ausência de  grandes sinais que nos digam o que é o cima e baixo podem ser um verdadeiro “mind fuck” mas na realidade Retrovirus é até um grande jogo. Há algumas pistas no cenário que nos dizem para onde estamos virados, mas podem realmente esquecer isso e sentirem a liberdade de não terem que se preocupar com isso.

Uma vez que têm a pouca completa consciência espacial 3D, Retrovírus se transforma em um shooter divertido e vibrante, com um sistema de armas muito inteligente. Cada arma do jogo deixa um pouco de resíduo no impacto, pequenas bolhas que duram alguns segundos antes de desaparecer. A nave também vem equipado com um scanner, que dispara um anel circular que logicamente faz o scan de tudo o que os atravessa. A digitalização de um inimigo permite por exemplo vê-lo através de obstáculos. Além disso tem outros usos, digitalizar uma porta por exemplo permite abri-a. A maioria das armas no jogo têm um efeito diferente secundário quando atingido pelo scanner, e aprender a usá-los vai tornar as batalhas maiores muito mais fáceis. Não precisam de ser jogadores hardcore e perceber todas as mecânicas do jogo para se safarem, mas a verdade é que ser inteligente recompensa neste caso. As armas gémeas que começam por ter resíduo explosivo, enquanto a espingarda faz poços de gravidade. Atire num inimigo e digitalizá-lo para activar a gravidade  arrasta um grupo de inimigos para uma bola apertada, e descarregar tudo o que têm  para efeito destrutivo espectacular.

À medida que vão destruindo os inimigos vão também está acumulando dados, e uma vez que o suficiente for acumulado podem ser gastos em power-ups. Nesta parte Retrovirus é também bastante livre, podendo o jogador seguir o caminho que mais gosta,  podem aumentar a precisão por exemplo ou a dispersão das armas. Cada powerup escolhido tem um efeito secundário de velocidade crescente , tiros de velocidade, ou de saúde em geral, em função da sua categoria. Felizmente, a decisão é facilmente revertida, o que lhe permite brincar com as opções que vão escolhendo, até porque nem sempre sabemos o que realmente queremos ou então achamos que queremos algo totalmente diferente.

Um shooter deste género é normalmente complicado, mas Retrovírus faz um bom trabalho a limar as arestas. Os inimigos são basicamente burros, mas inteligentes o suficiente para saber apontar e disparar, não fiquem simplesmente à frente deles a falhar tiros. Os níveis são sinuosos, mas não tão maus para serem intragáveis  e quando as coisas ficam confusas, pode carregar a tecla H para uma linha para o próximo objectivo. O  combate que funciona muito bem com o rato e teclado, é um regresso rápido e divertido de um velho estilo de FPS, carregado de acção e exploração, mas também disposto a mexer com a nossa cabeça até que entendermos os verdadeiros meios da liberdade 3D. É pena que tenham optado por incluir textos como forma de contar alguma história e nos dar contexto, num jogo que aposta tanto na acção essa escolha quebra completamente e é um remar contra a maré. O grafismo é bom sem ser espectacular e o som é genérico mas integrado no tema.

Requisitos do Sistema

    • OS: Windows XP, Windows Vista, or Windows 7
    • Processor: 2.0 GHz dual-core CPU
    • Memory: 2GB
    • Hard Disk Space: 1.5 GB free space
    • Graphics: VNVIDIA GeForce 8800 GT, AMD Radeon HD 2900, or higher
    • Sound: DirectX compatible sound card
    • DirectX®: DirectX 9.0c

Tiago Roque

Leave A Comment