Análise Rayman Legends

Previsto como um exclusivo Wii U, Rayman Legends chega agora a todas as plataformas. Algo que pode ser uma desvantagem para a Nintendo mas que é fantástico para oa jogadores em geral dada a qualidade do jogo da Ubisoft. Rayman é uma das personagens mais populares do mundo dos videojogos e uma verdadeira mascote da Ubisoft desde o lançamento do primeiro jogo. Depois de algum tempo afastado e ter passado praticamente para segundo plano por causa de uns coelhos malucos, Rayman voltou em grande em Rayman Origins voltando ao formato 2D que marcou o inicio da sua história e Legends segue a mesma fórmula.

O grafismo continua a ser de luxo, desenhado à mão ou pelo menos num estilo que imita isso na perfeição. Desde o primeiro nível até ao último somos completamente puxados para um mundo de fantasia bastante rico que graças ao grafismo, cores vivas e óptimo som nos agarra e não larga mais. Tudo isso é melhorado por uma jogabilidade bastante fluída e diversificada. Sou da opinião que não se consegue realmente competir em termos de jogos de plataformas com a Nintendo mas depois de Rayman é difícil dizer o mesmo porque Legends consegue ser superior em praticamente tudo a New Super Mario Bros, especialmente no que toca a inovação.

Os níveis sao bastante variados. Tanto podemos explorar com calma livremente como temos que martelar os botões o mais rápido possível para sobreviver, no entanto nunca existem saltos de dificuldade que causem demasiada frustração. Este é aliás um dos melhores jogos de plataformas que joguei até hoje. O equilíbrio  de todos os elementos do jogo é a sua maior virtude. Nunca somos obrigados a explorar os níveis mas muitos deles pedem para serem explorados, no entanto outros pedem velocidade, destreza e bons reflexos. De forma gradual somos ensinados mais e mais e quando os primeiros bosses começam a aparecer dominamos já muito bem o jogo e o salto de dificuldade quase nem se sente.

Este é também um jogo bastante recheado em termos de conteúdo.  A história ocupa cerca de 12 horas mas ainda existem alguns mini-jogos que nos podem ocupar algumas horas adicionais. O mini-jogo de futebol por exemplo ocupou-me bastante tempo sempre que arranjei algum tempo com nada para fazer e um amigo para jogar. A variedade de Rayman Legends é realmente difícil de igualar. Por momentos podem pensar que ao fim de algumas horas de jogo dificilmente irão ser novamente surpreendidos, mas garanto que isso irá acontecer.

e3-2012-rayman-legends-screenshots

Cada um dos novos níveis que vão aparecendo são melhores que os anteriores e comparado com Origins existiu um salto de qualidade bem visível. Legends pega em tudo o que o antecessor fez bem e melhorou-os todos, introduzindo ainda muitos elementos novos. Jogar com alguém é aliás o melhor que podem fazer quando pegarem em Rayman Legends. Se a solo o jogo é divertido então com mais um ou dois amigos a diversão duplica. Não existem realmente necessidade de jogar cooperativamente, o jogo não fica mais difícil nem mais fácil, mas fica bem mais divertido, apesar de poder ficar demasiado caótico quando estão quatro jogadores ao mesmo tempo.

É um problema comum a todos os jogos do género que aceitam vários jogadores ao mesmo tempo, mas Rayman está entre os que se porta melhor neste aspecto. A jogabilidade vem normalmente em dois esquemas diferentes. No primeiro o jogo é 100% um jogo de plataformas, enquanto que no segundo pode ter alguns elementos de puzzle. Apenas jogámos a versão PS3, no entanto posso adiantar que a versão Wii U funciona de forma um pouco diferente. Na versão PS3 analisada, as sequências de plataformas são o que podem esperar. Um botão para saltar, um para correr e outro para atacar. Podem entanto combinar o ataque com as teclas de direcção para algumas variantes interessantes.

Os ataques são um dos aspectos que dão mais personalidade a Rayman. A forma como os seus membros separados do corpo se afastam para mandar um murro é uma das características desta personagem. Durante algumas partes do jogo irão ter também que controlar um pequeno ajudante. Na PS3 tudo se resume a carregar no circulo sempre que necessário para derrotar alguns inimigos mais fortes e desbloquear o caminho ou mover plataformas. Na Wii U implica o uso do GamePad mas não vou entrar em pormenores porque simplesmente não joguei essa versão.

É mais um dos elementos que traz variedade a Rayman Legends e que torna este tão bom e um dos melhores do género. Mas independente de onde for jogado, Rayman Legends é a prova da intemporalidade deste género. Um dos géneros mais antigos, mas que continua tão forte e tão divertido como sempre foi. É incrível como ao fim de mais de vinte anos ainda se consegue inovar neste género, enquanto que outros como os FPSs parecem estar estagnados com menos de metade do tempo de vida.

rayman-legends-header

Rayman Legends é um jogo simplesmente brilhante e um dos melhores do género que tive o prazer de jogar. Os níveis têm uma variedade incrível e apesar de se basear em muito do que já foi feito na industria, inclusive por ele próprio, Legends consegue manter-se fresco. Jogar em co-op é ainda mais divertido e a longevidade imensa. Há tanto para desbloquear que é bem provável que daqui a alguns anos ainda existam alguns jogadores a pegar em Rayman Legends de vez em quando. A dificuldade irá agradar a todos especialmente por ter um equilíbrio tão cuidadoso.

Não há realmente muito para criticar aqui. Este é um dos jogos que vos vão deixar boas memórias que durarão por muitos anos, como os jogos de antigamente. É um jogo mágico que transpira qualidade e beleza que merece ser jogado por todas as gerações.

10/10

Tiago Roque

Comment (2)
Análise Rayman Legends | Combo Caster
Fevereiro 25, 2014

[…] que recebeu um 10/10 aqui no ComboCaster? Se não se lembram podem sempre dar uma vista de olhos aqui. Rayman Legends era supostamente um exclusivo Wii U, mas por razões monetárias acabou por ser um […]

Responder
Jogos do ano 2013 | Combo Caster
Fevereiro 25, 2014

[…] Platformer – Rayman Legends Rayman Legends não é apenas o melhor jogo de plataformas do ano, é também um dos melhores de […]

Responder

Leave A Comment