Análise: Assassin’s Creed: Liberation HD

Assassin’s Creed: Liberation HD é o mesmo jogo que saiu na Vita e que chega agora à PS3, Xbox 360 e PC com uma maior resolução e melhorias gráficas transversais, assim como alguns melhoramentos na jogabilidade que pode agora usar mais botões obviamente. O original Vita foi lançado ao com Assassins Creed III, com a mesma configuração da América colonial e aproximadamente o mesmo período e até a presença um membro bem conhecido do elenco.Para quem já jogou Black Flag, este é sem duvida um passo atrás. É até um passo atrás em relação a Assassin’s Creed III, algo que não sentimos realmente na Vita pois nunca estivemos à espera de ver realmente um jogo do mesmo calibre na portátil.

Liberation HD tem algo a seu favor no entanto. Assassin’s Creed tem evoluído para uma complexidade enorme. Em termos de dificuldade tem vindo a descer até, mas agora há lojas de armamento, lojas de melhoramentos para o navio, um navio, mares para navegar, caça, crafting, etc.. A ausência de tudo isto pode até tornar Liberation HD melhor em alguns aspectos, mas apenas pelo minimalismo. Pela primeira vez também, temos uma heroína, Aveline, a mesma que conhecemos também no DLC exclusivo da PS3 e que leva uma vida dupla , na superfície da mimada filha mestiça de um comerciante francês rico em 1760 New Orleans, mas nas sombras um Assassino , lutando contra a escravidão e Templários. Se não gostaram de Assassin’s Creed III então não há também muito aqui para gostar. O cenário é semelhante, assim como o período histórico que é muito mais interessante para o povo americano.
ss_2753feb85db9851f7f7ccc18ee47ea7480fc7783.1920x1080

Muitos dos aspectos menos conseguidos da versão Vita foram também deixados de parte. Graficamente é sem duvida melhor que a versão Vita, algo que pode ser facilmente verificado comparando algumas imagens, mas fica longe de Assassin’s Creed IV: Black Flag e até de Assassin’s Creed III. A escala é também muito inferior, mesmo se comparar-mos com os dois últimos jogos não numerados, Brotherhood e Revelations. Aveline tem ritmo e um grande arsenal de ferramentas e armas, mas a jogabilidade que era um pouco mais lenta na versão Vita está agora ao nível dos outros protagonistas.

Para quem apenas joga Assassin’s Creed pela história principal então pode passar este à frente também. A história de Aveline não é má mas no grande panorama das coisas não interessa realmente muito. A principal diferença da jogabilidade é que em quase qualquer momento Aveline pode trocar entre várias roupas desbloqueáveis ​​e transformar-se numa de três formas : a senhora , o assassino ou escravo. A senhora pode seduzir senhores e levá-los para acompanhá-la ou pelo menos desbloquear o seu caminho , mas não pode correr ou subir. O assassino tem o kit assassino tradicional e capacidades, enquanto o escravo tem a capacidade de evitar a detecção através da fusão com escravos. Na prática Aveline é letal em qualquer um e perdeu-se aqui uma boa oportunidade de fazer algo diferente.

 

Tiago Roque

Leave A Comment