Análise: Donkey Kong Country: Tropical Freeze

Os negócios da Nintendo podem não ir bem, com as vendas da Wii U praticamente paradas. Pessoalmente não compreendo como a consola das três mais recentes, com melhores jogos tem tão fracas vendas, mas parece que faço parte de uma minoria. Donkey Kong Country: Tropical Freeze vem apenas dar-me mais razão. Este é mais um jogo fantástico no catálogo da Wii U, que começa ter falta apenas dos jogos da EA.

A Retro Studios falha muito raramente e felizmente não falhou aqui. Esta é uma sequela de Donkey Kong Country: Returns, um dos melhores jogos da Wii e da 3DS. Mas este não é um jogo apenas para os fãs do jogo anterior, pois muitos dos elementos clássicos da série estão presentes, o que irá fazer com que os jogadores que se lembram da série do tempo da Super Nintendo se sintam em casa. A Wii U pode não ter hardware equiparável ao da PS4 e Xbox One, mas quem se importa realmente com isso quando temos jogos com este aspecto?

2406627-7558528740-donke

 

Graficamente Donkey Kong Country: Tropical Freeze é tudo o que podíamos esperar de um Donkey Kong em HD. Os cenários são bastante variados, assim como a jogabilidade. Nunca senti durante o jogo que estava farto de fazer a mesma coisa e nenhum nível é monótono, existindo muitas formas de alterar a jogabilidade. Nadar por exemplo parece algo que não muda em nada o jogo, mas na realidade torna a jogabilidade muito mais interessante.

Os níveis mais longos duram cerca de dez minutos, mas existem alguns mais rápidos que alternam as plataformas por um carrinho de mineiro por exemplo.  Os níveis além de variados são também bastante diferentes dos do jogo anterior, nunca se sentindo que houve uma repetição de ideias ou dos mesmos cenários.  Além dos cenários soberbos, recheados de animações e pequenos pormenores, os inimigos foram também criados com bastante cuidado, com animações fluidas e sem grandes diferenças de qualidade relativamente às personagens principais, algo que acontece em tantos jogos.

donkey-kong-tropical-freeze-5

 

O próprio som em Donkey Kong Country: Tropical Freeze é soberbo e sempre enquadrado à situação e ao cenário, ajudando a complementar uma imagem e atmosfera.  A principal melhoria relativamente ao jogo da Wii é sem duvida os controlos. A Wii teve muitos bons jogos e a sua filosofia foi revolucionaria, mas a aposta em controlos por movimentos nunca me cativou o suficiente. Felizmente a Wii U vem o fantástico GamePad e esse facto sozinho é responsável pela grande melhoria na jogabilidade. O facto de existir uma tecla para tudo o que posso querer fazer na minha opinião é melhor forma de jogar. Donkey Kong Country: Tropical Freeze não é um jogo fácil e quem jogou o anterior sabe isso melhor que ninguém.

Mas a troca de comando beneficia-o bastante, tornando-o também um pouco mais acessível. Os ecrãs de game over não são frequentes mas irão morrer bastantes vezes na mesma. O Super Guia já não está disponível e ainda bem, pois passar um nível recorrendo a essa ajuda não era de todo satisfatório. Felizmente para nos ajudar existem alguns itens. Existe uma loja especial que vende balões que podemos comprar com moedas banana que encontramos nos níveis. Os melhores jogadores não irão ter grande necessidade de recorrer a estes itens, mas os jogadores mais novatos irão facilmente precisar de todas as moedas que possam recolher. Existem itens para praticamente tudo, o que torna o jogo muito mais fácil enquanto tiverem balões.

dkctf-12

As novas personagens trazem também algumas novidades. Uma usa um movimento tipo helicóptero que nos mantém no ar mais algum tempo e outra usa um movimento muito semelhante ao de DuckTales. Apesar de o jogo não se tornar significativamente diferente, é mais uma razão porque Donkey Kong Country: Tropical Freeze parece tão diferente e fresco. Os níveis iniciais praticamente obrigam-nos a usar um dos companheiros, com secções que só podem ser ultrapassadas com a habilidade de um deles, mas os níveis mais avançados dão muito maior liberdade, o que nos pode levar a ter um favorite que usamos durante todo o jogo.

O jogo em si não é muito longo, no entanto completar todos os níveis encontrando todas as letras pode ser um desafio maior do que a maioria pode suportar. Além de tentar encontrar tudo o que há em Donkey Kong Country: Tropical Freeze Existe ainda o modo time trial que coloca todos os jogadores do mundo a tentar competir pelo melhor tempo, existindo até gravações das nossas tentativas para os nossos amigos verem e nós fazermos o mesmo. Donkey Kong Country: Tropical Freeze não é um jogo perfeito, no entanto as suas falhas são mínimas.

Donkey-Kong-Country-Tropical-Freeze

 

No entanto faz algo que muitos outros jogos tendem a fazer na Wii U e ajuda a explicar o porquê de muitos jogadores não verem interesse na consola. Apesar de ser um jogo fantástico não usa o GamePad de uma forma que não usaria qualquer outro comando.  É óbvio que é bem vinda a opção de poder jogar com a televisão desligada, mas não é o suficiente. Há jogo que usam o comando principal da Wii U de formas realmente criativas e normalmente esses vêm dos principais estúdios da Nintendo, portanto é uma pena que este não tenha sido mais um a fazê-lo.

 

 

 

 

 

Tiago Roque

Leave A Comment