Análise: Parcel

Parcel é um jogo em que temos de mover blocos, sem grande ação é portanto um jogo de puzzles. Os jogadores têm de mover a caixa a partir do início do nível até ao fim. Há lasers e robôs sobre os lasers que vão ficar no caminho dos jogadores  e complicar tudo um pouco. Em termos de dificuldade, a verdade é achei Parcel realmente desafiante. Alguns níveis são realmente desafiantes, sobretudo porque os níveis não são estáticos. Por vezes não é fácil saber o que fazer porque os robôs inimigos precisam de estar numa certa posição para que o caminho se torne obvio.
A música em Parcel é fabulosa, ou pelo menos, encaixa-se na perfeição ao ambiente. Infelizmente pode tornar-se um jogo frustrante quando não sabemos o que fazer. Não há qualquer tipo de ajuda, ou se sabe o que se deve fazer ou não se sabe. Infelizmente também não é um jogo muito popular, o que faz com que nem sempre seja possível encontrar ajuda online.

Captura de ecrã 2015-05-6, às 00.17.13

Isto irá certamente afastar jogadores casuais, pois assim que ficarem presos o jogo praticamente acaba. Deveria existir uma forma de passar à frente de níveis que não consigamos passar ou algum sistema de ajuda. Apesar de isso poder tornar o jogo demasiado fácil, é melhor existir essa opção que forçar os jogadores a parar de jogar caso fiquem presos em um nível.
Visualmente Parcel é decente. Não é nenhuma maravilha mas tem uma estética interessante que lembra Tron de quando a quando. O principal problema que encontrei  com os visuais de Parcel é o fato de o cenário se mover levemente no ecrã, algo que pessoalmente me fez alguma confusão e acredito que possa fazer pior a jogadores que sintam regularmente motion sickness.

TAGS :

Tiago Roque

Leave A Comment