Análise: A Grande Muralha

Matt Damon a defender a Muralha da China contra uma ancestral raça alienígena invasora que veio para a terra num meteorito. Parece ser um conceito estranho, mas original, mas o resultado final é tão banal e sem sal que poderia ser defende <localização> de . Apesar de ser passado na China o filme nunca chega a aproveitar realmente a herança histórica e cultural.

Mas A Grande Muralha não é um mau filme, simplesmente não é bom. Um grupo de ocidentais, compostos principalmente pelas personagens de Matt Damon e Pedro Pascal exploram o continente à procura da mítica pólvora negra. Ao serem perseguidos por uma tribo por alguma razão ficam reduzidos a um pequeno grupo quando são atacados por uma criatura, da qual conseguem cortar um braço.

No dia seguinte a perseguição da tribo continua mas o grupo chega à grande muralha que relutantemente lhes dá abrigo e lhes exige explicações sobre o braço que conseguiram cortar. É no fundo aqui que o filme realmente começa com as nossas personagens a conhecerem a verdadeira historia da muralha e como os Tao Tei chegaram à Terra. No entanto é na primeira batalha que conhecemos o seu valor na batalha. Controlados pela sua rainha através de sinais sonoros quase telepáticos, todos os Tao Tei estão ligados e dependentes da sua rainha que têm de alimentar para criarem mais da sua espécie. Curioso é também a forma como levam todos os seus mortos do campo de batalha o que impediu em todos estes anos os defensores da China de capturarem uma das criatura viva.

Apesar de serem apesar de tudo bem recebidos, ambas as personagem continuam empenhadas em roubar a pólvora e fugir assim que a encontrarem, uma tarefa que fica facilitada assim que conhecem Sir Ballard a personagem interpretada por Willem Dafoe e tenta fazer exactamente isso à vários anos. É também aqui que conhecemos o resto do elenco liderado por Jing Tian que interpreta a líder da Ordem Sem Nome que protege a muralha à centenas de anos.

A Grande Muralha apesar de um bom elenco e um orçamento que lhe permitiram ser visualmente atractivo, não cativa suficientemente o publico. Nada no filme é realmente mau, mas nada é excelente ou sequer bom. A historia apesar da localização é genérica, os diálogos são mais do mesmo e a motivação é a normal ganancia que por varias razoes evolui para uma real preocupação por uma causa.

O filme Chinês com o maior orçamento de sempre é um pouco como muita coisa que sai daquele país. É grandioso, mas no fundo é uma copia do que já foi feito e melhor e tendo em conta o elenco e orçamento, é pena que assim seja.

Tiago Roque

Leave A Comment