Análise: Gravity Rush 2

Gravity Rush 2 é sequela do Action-RPG da PS Vita e posteriormente remasterizado para a PS4. É um jogo aberto com a mecanica de poder controlar a gravidade da personagem e objectos ao seu redor. O jogo original foi apesar de tudo projectado para uma consola portátil e aquilo que  a versão remaster e a sequela com lançamento exclusivo na PS4 fizeram mais que tudo foi retirar mais uma razão para ter uma Vita.

Após os eventos na cidade “Hekseville” do primeiro jogo, Kat é arrastada para uma tempestade de gravidade, durante a qual ela perde sua consciência. Agora ela está encalhada num mundo novo sem uma maneira de voltar e o seu gato Dusty, que lhe dá os poderes da gravidade, está desaparecido. Ao descobrir o que está a acontecer, Kat encontra por um grupo de mineiros. Esta parte inicial é longa, mas a realidade é que a jogabilidade de Gravity Rush  não é linear e precisa de um tutorial relativamente longo, assim como um periodo de habituação.

Depois de um tempo, o novo mundo aberto abre para a exploração, o que oferece uma boa variedade de distritos ricos a pobres, presença militar e outros ambientes interessantes. Além disso, o mapa está cheio de pessoas para conversar, missões secundárias, missões principais e desafios. O mundo parece vivo à primeira vista, no entanto, existem muitos modelos de personagens, que são usados ​​várias vezes e retiram poder a essa ilusão. Além disso, Kat só pode conversar com certos NPCs no mundo que estão claramente marcados no mapa.

Muitos dos objetos colocados são destrutiveis, mas o mundo, os edifícios e as próprias árvores são estáticos e isso retira alguma imersão a este mundo. O jogo utiliza um estilo visual cellshading que funciona bem, sendo detalhado e contêm muitos efeitos visuais de particulas. No entanto, tecnicamente é um pouco limitado, com uma framerate baixa e demasiado uso de motion blur para esconder os defeitos.

A História é contada em banda desenhada animada nas principais missões. As missões secundárias por outro lado limitam-se a alguns textos. A história demora algum tempo a realmente acelerar e quando o faz depois é demasiado rápida até atingir o final. O jogo possui também recursos multiplayer online assíncrono, que basicamente se resume a dar sugestões a outros jogadores, um pouco como Dark Souls. O jogador também pode avaliar as fotos de outras pessoas e competir contra os seus fantasmas em missões de desafio.

 

 

Tiago Roque

Leave A Comment