Análise: Minecraft: Story Mode Season 2, Episode 1

O facto de a TellTale ter criado a primeira temporada de um dos seus jogos baseado em Minecraft é prova suficiente da popularidade que este jogo atingiu. Surpreendente foi também o sucesso que a primeira temporada teve, mas a maior surpresa de todas é que  esta segunda temporada intitulada Hero In Residence tenha aparecido. O conceito em si permanece tão estranho quanto quando foi da primeira vez, mas pelo mesmo motivo, a franquia é divertida e cheia de personalidade.

O aspecto mais agradável de Minecraft: Story Mode é que é claramente destinado a um público mais jovem. Isso significa que os adultos podem não encontrar aqui  a mesma maturidade que noutros jogos da TellTale como The Walking Dead . Todos os clichés habituais do estúdio são evidentes, apesar de em termos de aspecto exista uma atenção notável em criar um jogo que tem a estética Minecraft patente em todos os elementos. As ramificações das nossas escolhas são no entanto muito mais leves, o que por si também é resultado do publico alvo, mas este primeiro episódio mantém tudo aquilo que o original de melhor nos trouxe.

Começando mais ou menos  após o final da primeira temporada, quando o herói Jesse e seus amigos derrotaram o Wither Storm, agora o jogador tem a tarefa de voltar ao normal. Naturalmente, isso não dura muito quando surge uma nova ameaça na forma de uma cidade vizinha conhecida como Champion City com sua líder, Stella. O enredo é no geral um absurdo, equilibrado por alguns personagens bizarros e tramas ridículas que garantem que o ritmo nunca abranda. A TellTale entende seu público aqui tão bem como a Mojang e ter um ritmo lento não é algo que estejam à procura.

Um grande motivo para tudo funcionar é o diálogo bem escrito e o trabalho de vozes. Não há nada aqui que possa ganhar um prémio mas mantém a qualidade a que a TellTale nos habituou. Em termos de estética a qualidade como já referi é semelhante. A realidade é que nem sempre os jogos da TellTale funcionam bem em termos técnicos mas esse não é o caso aqui, principalmente porque o jogo replica Minecraft. Não é difícil replicar uma estética de blocos mas as cores vibrantes de Minecraft e uma certa alma que o jogo tem acaba por marcar presença. É tudo simples mas enquanto pacote funciona muito bem graças a essa simplicidade.

No geral Minecraft começou esta segunda temporada na mesma linha que a primeira, mas isso significa que os problemas dos primeiro jogo estão presentes neste.  É um jogo agradável e uma maneira de expandir o universo de Mojang para novos territórios e, provavelmente, ganhar muito dinheiro no processo. É bem organizado e decente enquanto dura, mas isso é o máximo que oferece. Não há dúvidas de que a comunidade de Minecraft aproveitará muito mais o jogo que toda a restante da comunidade mas neste caso nem considero isso algo mau.

Tiago Roque

Leave A Comment