Análise: Acceleration of Suguri 2

Acceleration of Suguri 2 é a continuação de um spinoff  de um bullet hell desenvolvido pela Orange_Juice. Para ser honesto, se existe um género sobre o qual pouco ou nada sei é o género Bullet Hell além de que é uma espécie de evolução do clássico shooter espacial e que é altamente popular no Japão. A única coisa que sei realmente é que geralmente sou muito mau neles. Eu só posso imaginar que todos os interessados ​​neste jogo já o tenham, dado que é um publico muito específico, mas da minha parte vou apenas avaliar o que joguei e a minha opinião, sem qualquer expectativas daquilo que o género deve ser.

Acceleration of Suguri 2 é um jogo de combate entre dois jogadores o objetivo é reduzir a vida do oponente mais rápido do que eles podem fazer o mesmo e isso é feito criando os nossos próprios padrões de ataque enquanto se evita os dos adversários. Apesar de parecer um shooter pelas imagens tem muito mais em comum com um jogo de luta excepto no que toca ao combate.  No entanto existem também diferenças muito acentuadas nesse aspecto que o tornam muito distinto de outros bullet hell que já joguei.

Em vez de balas lentas que forçam o jogador a mover-se com precisão aqui tendem mais para balas de movimento rápido que vêm de todas as direções. Há também uma interação interessante entre os tipos de projéteis: laser, balístico e físico. Enquanto isso, as armas balísticas tendem a ser mísseis teleguiados que são difíceis de desviar, mas podem ser destruídos pelo fogo a laser, enquanto os ataques físicos são uma maneira forte de punir os jogadores mais arrojados. O resultado é algo parecido com tesoura, papel e pedra de alta velocidade.

O jogo é decorado com um elenco eclético de personagens e todos eles são desenhados com um estilo pastel suave que se tornou uma espécie de cartão de visita para o estúdio. As personagens têm muita personalidade tanto no design como no seu estilo de luta, com cada personagem a ser única e com pontos fortes e fracos distintos. O resultado é um jogo interessante com profundidade competitiva. Há um menu que explica os vários movimentos diferentes e em que situações eles devem ser usados, mas há muito texto para novos jogadores e a falta de melhor explicação acaba por tornar o competitivo pouco atractivo. Há um modo de treino mas serve pouco mais do que para descobrir o que os vários botões fazem e o jogo é fácil de começar a jogar, mas é difícil  jogar corretamente e com uma IA no jogo, que é realmente difícil, mesmo no modo fácil, e este é jogo torna-se um verdadeiro inferno.

Tiago Roque

Leave A Comment