Análise: Dream Alone

Dream Alone é um dos jogos mais escuros que já joguei até hoje. Quando digo escuro quero mesmo dizer escuro, não me refiro ao tema ou atmosfera, mas sim à sua palete de cores. Jogos como Limbo têm uma certa estética mas o contraste é integral à jogabilidade e esses jogos percebiam isso, Dream Alone por outro lado ignora  quase todas as regras do bom senso e chega com visuais tão escuros que raramente temos total noção do que nos rodeia.

Sem duvida inspirado em jogos como Limbo,Dream Alone é um jogo de plataformas em que controlamos uma criança cuja cidade foi afetada por uma misteriosa doença e este lança-se numa aventura para tentar localizar uma feiticeira chamada Lady Death e esperançosamente encontrar uma cura. A história e estilo artístico do jogo lembram os contos de Tim Burton com desenhos grotescos e imagens que evocam o medo, um narrador de voz forte que detalha bem a situação e a música sombria.

Enquanto o tom escuro cria uma história intrigante, a jogabilidade é abordada sempre da pior forma. Os visuais do jogo atrapalham as secções de plataformas e os primeiros níveis já são difíceis o suficiente de navegar, mas as áreas posteriores tornam todo ecrã escura como breu e o jogo tem de combater isso com um aumento de luz, que é um recurso limitado. Se ficarmos sem energia temos de jogar em total escuridão, o que é basicamente impossível uma vez que seria fácil lidar com a escuridão se esse fosse o único problema, mas o design de nível está tão mal executado que prejudica o jogo mais do que a falta de luz. Dream Alone tende a obscurecer armadilhas que nos matam com um único hit, sem aviso prévio, sem tempo para reagir. Além disso muitas vezes temos de simplesmente saltar para a nossa própria morte para perceber que o caminho não é aquele ou não é bem assim.

Enquanto jogo de plataformas também sofre de má jogabilidade uma vez que tem uma velocidade de caminhada estranha e os saltos são bastante flutuantes. A falta de precisão da jogabilidade aliada à falta de luz e progressão por tentativa erro fazem de Dream Alone um jogo muito mais complicado de jogar do que deveria e os puzzles não se saem melhor. Muitos deles giram em torno dos poderes especiais da personagem principal, que incluem distorção para uma versão alternativa do cenário e fazer um clone da personagem. Estes são conceitos interessantes mas que já foram utilizados em muitos jogos e pessoalmente acho que com bem melhores resultados.

Os criadores de Dream Alone fizeram um bom esforço para criar algo diferente com inspirações bastante marcadas, mas o resultado final é demasiado similar para se destacar em muitos aspectos e infelizmente demasiado longe da qualidade dos jogos que lhe serviram de inspiração. Uma vez que sou fã do género não posso deixar de o comparar com jogos como Limbo e a satisfação de jogar Dream Alone está longe do que encontrei em Limbo e a frustração é o sentimento rei.

Tiago Roque

Leave A Comment