Análise: Yakuza 0

O Yakuza original foi um jogo que adorei na PS2 e que depois nunca mais joguei. Sempre tive vontade de voltar à série mas nunca o tinha feito até agora graças ao lançamento da prequela e remakes que começou a acontecer agora. Yakuza 0 é uma prequela do jogo original e conta os primeiros tempos da personagem principal no Japão dos anos 80, uma época maravilhoso para os empresários. A moeda estava a valorizar e o lucro era fácil e a SEGA consegue recriar a época de forma brilhante aqui. A história começa em Tóquio com um jovem e inexperiente Kiryu Kazuma fazendo um trabalho a família Dojima do Clã Tojo, o que o coloca na mira de uma acusação de homicídio.

Também fazendo uma aparição está Majima Goro, o companheiro de Kiryu, aquem nos juntamos e vagueamos durante a primeira hora de jogo. Atribuído a tarefa de assassinar um homem, a chance de Majima de voltar às boas graças da família Shimano do Clã Tojo reside na sua capacidade de matar, uma linha que ele ainda tem que atravessar e que apesar de trabalhar para os Yakuza já há algum tempo o deixa reticente. Este é o local ideal para começar caso nunca tenham jogado nenhum jogo da saga já que conta realmente o início de tudo. Yakuza 0 concentra o enredo em duas narrativas desconexas para melhor construir as personagens e embora ainda existam as reviravoltas necessárias. O ritmo da história também é equilibrado, alternando entre as personagens a cada dois capítulos, em vez de a história ser seguido do início ao fim.

Um dos melhores aspectos da série Yakuza é a calma das alturas em que não estamos a ir atrás de um objectivo, simplesmente explorar a cidade e os habitantes, um pouco como Shenmue fez antes. Alguns capítulos estão cheios de desvios que podem parecer inúteis, mas ajudam a completar a personagem e o jogador começa a conhecer realmente estas personagens, as suas motivações e ambições e tudo o que as torna quase reais.

Apesar de já ter abandonado a série há algum tempo esta continua a parecer um clássico da PS2 com design de jogo moderno e grafismo atual, o que contribui para uma experiência que é bastante difícil de largar. Mesmo que a história leve cerca de 25 horas para terminar o jogo dura bem mais do que isso. Mesmo a jogabilidade é surpreendentemente mais elaborada já que em vez de ficar de um único estilo para cada personagem, o que já seria bom, Kiryu e Majima recebem três diferentes posições de luta para dominar-mos e nenhum deles tem muita semelhança entre si.

Majima tem um estilo parecido com o UFC com muitos hits pesados ​​e ataques poderosos, juntamente com um estilo que utiliza um taco de beisebol e um estilo parecido com break dance. Majima é claramente o mais original e divertido dos dois e apresenta uma grande variedade de movimentos. Kiryu tem um estilo mais brawler e um modo Beast para enfrentar inimigos maiores e por fim um modo rush que é parecido com boxe com muitos ataques rápidos. Depois existem ainda movimentos especiais que podemos usar quando uma barra enche.

Em vez de ganhar experiência ou equivalente nas batalhas o jogador precisa ganhar dinheiro  para investir em si mesmo e aprender novas habilidades já que melhorar qualquer estilo de luta até ao fim requer cerca de 15 bilhões de ienes, o que é bastante. Mas o jogo também se foca mais em habilidade do que em subir de nível pelo que não é realmente crucial evoluir tudo.

Juntamente com a história bem escrita, Yakuza 0 é facilmente um jogo completo antes mesmo de entrar em todos os detalhes. Há tanta coisa para fazer que podemos ocupar horas e horas sem sequer nos lembrar-mos da história. É aí que a verdadeira beleza da série sobressai. O cenário é o foco principal, a verdadeira personagem do jogo e interagir com este mundo é o que realmente torna Yakuza tão bom. Além disso o jogo é realmente bom tecnicamente o que dá um realismo soberbo ao mundo.

Mas o conteúdo não fica por aqui. O jogador está no controlo de uma empresa imobiliária e tem que gerir alguns clubes. A profundidade deste aspecto do jogo é também grande e quase que poderia facilmente ser um jogo separado. O jogador constrói a sua equipa de trabalhadores, compra lotes de terra e investe tempo e dinheiro para vê-los crescer e conquistar a cidade e apesar deste modo estar um pouco afastado da história são idéias plenamente realizadas e fortes mas que podem ser ignoradas.

Yakuza 0 é uma obra-prima e no limite deixou-me com pena de me ter afastado da série à tanto tempo mas sabendo que os restantes jogos estão a chegar ao PC não posso deixar de estar ansioso por continuar.

Tiago Roque

Leave A Comment