Análise: Android Hunter A

Android Hunter A começou por ser um jogo praticamente dedicado a Mega Man, uma espécie de carta de amor ao jogo e dedicado a todos os seus fãs. No entanto o projeto foi crescendo e crescendo e acabou de demorar alguns anos a ver a luz do dia, sendo lançado na Steam e 2016 num estado ainda de desenvolvimento, quando a Steam ainda funciona com o Steam Greenlight para aprovar jogos de editoras mais pequenas. A DigiPlox fez no geral um excelente trabalho, mas que fica praticamente reservado para os grandes fãs de Mega Man que estão fartos de jogar os jogos da série uma e outra vez.

Aqui assumimos o papel de A, o Android Hunter do título do jogo e basicamente a história resume-se a A a enfrentar um exército de robôs. A história fica para segundo plano e basicamente serve para pouco mais do que nos dar algum plano de fundo para as nossas ações. Quando um jogo não é cinemático ou um RPG com uma história muito elaborada não me preocupo muito com a qualidade do enredo e aqui a narrativa é vaga e confusa e não é a história que me vai fazer querer jogar os próximos níveis. A jogabilidade em si é muito semelhante a Mega Man, ao ponto de ser quase um fan game que apenas não se chama Mega Man porque não pode.

É na jogabilidade que Android Hunter merece algum crédito. É um jogo pouco refinado e tem aqui muitas arestas que precisavam de alguma atenção mas é o seu melhor aspeto. Existem alguns bugs que não quebram a jogabilidade mas seria muito bom que fossem resolvidos, principalmente os bugs mais visuais que dão um ar inacabado ao jogo. Os controles em si são bastante sólidos. Sem grande inovação mas que tornam o jogo fácil de aprender e jogar. Em termos de plataformas, correr e saltar são um pouco tensos e precisos na maior parte, mas o jogo é um pouco leve demais se conseguem perceber o que quero dizer.

A nossa personagem pendura-se automaticamente em saliências e paredes, o que lhe permite escalar grandes obstáculos e salvar-se de armadilhas. A maioria dos níveis requer uso extensivo dessa habilidade, existindo também uma habilidade de colisão que lhe permite lidar com outro tipo de armadilhas. O jogo tem também uma barra de Fúria que quando estiver cheia permite lançar uma poderosa Explosão de Fúria ou entrar num modo poderoso que aumenta a velocidade e o poder de fogo de A por um tempo limitado. No geral, os níveis são decentes e muito divertidos de jogar. Existem oito níveis básicos que podemos jogar em qualquer ordem mas os níveis às vezes parecem um pouco vazios, e o jogo tem a frustrante mecânica de armadilhas que matam instantâneamente. Essas armadilhas apresentam um elemento implacável nos níveis que não seriam muito desafiadores sem isso.

Os inimigos não apresentam grande desafio, e pode simplesmente passar pela grande maioria deles com pouca ou nenhuma resistência. Como o jogo não nos dá grande incêntivo a derrotar os inimigos por vezes ignorar alguns deles é mais rápido. As batalhas climáticas no final de cada nível são bastante únicas e desafiadoras à sua maneira e outro ponto forte do jogo. As semelhanças com Mega Man não terminam com o design dos níveis. Cada boss que derrotamos concede uma nova arma a A, que pode ser alternada e essas armas são muito poderosas, mas infelizmente desgastam-se muito rapidamente e não podem ser recarregadas quando estamos num combate contra um boss.

Embora não tenha o polimento de um título AAA, há muito para gostar aqui e mesmo em termos visuais é um jogo muito agradável. Existe uma variedade agradável de designs de inimigos que têm um design relativo ao de nível específico e são projetados em torno do tema do nível . Android Hunter A não faz nenhuma tentativa de esconder o fato de que é um jogo focado em recriar Mega Man, mas não é um jogo que tenta simplesmente ter lucro com a licença de outra empresa. É um jogo inspirado e feito por fãs que tenta realmente criar algo bom, mesmo que não muito original. O Android Hunter A tem ótima música, jogabilidade e é visualmente interessante e aquilo que lhe falta em originalidade compensa em paixão por Mega Man.

Tiago Roque

Leave A Comment