Análise: Secret Neighbour

De todos os jogos indie lançados na última década, Hello Neighbour é talvez aquele que nos deixa mais confuso com o seu sucesso. Estamos a falar de um jogo de foi mal recebido pela crítica em praticamente todos os meios de que tenho memória e no entanto tem vendido realmente bem. Tão bem que recebe agora até um spin-off multijogador, Secret Neighbour, um jogo onde o conceito é essencialmente o mesmo mas com o twist de uma das crianças a invadir a casa é secretamente o vizinho. Essencialmente pensem em Among Us mas com o grafismo de Hello Neighbour.

A jogabilidade principal permanece a mesma do jogo anterior, sendo um jogo furtivo numa perspectiva na primeira pessoa. Os jogadores têm de explorar cada canto da casa escura do vizinho. Infelizmente a jogabilidade continua tão desajeitado como antes. Uma das críticas que é feita o jogo é a performance do jogo e este não melhora em nada relativamente ao jogo anterior. Jogar como criança ou o próprio vizinho é completamente aleatório mas podemos escolher com qual criança queremos jogar numa pequena seleção de personagens.

Para um jogo que tem sido recebido de forma negativa é realmente surpreendido que não tenhamos praticamente de esperar para jogar. Quando começamos o jogo descobrimos se vamos jogar como criança ou o vizinho. Apesar do jogo nos tentar dar algumas indicações, a realidade é que jogar como criança nos deixa completamente perdidos das primeiras vezes. A comparação com Among Us é quase impossível de não se fazer e acredito realmente que Among Us ganha em praticamente todos os aspectos, mas principalmente na acessibilidade.

Navegar pela casa e localizar as chaves relevantes é divertido por um curto período, mas rapidamente cansa. Enquanto que em Among Us ser sobrevivente consegue manter algum interesse ao longo do tempo, aqui não acontece o mesmo. Grande parte da casa está às escuras, sendo a maior parte da iluminação a cabo de uma tocha que cada jogador tem. Infelizmente não há nada de interessante para procurar além das chaves cruciais e para um jogo tão focado na exploração é decepcionante.

Jogar como vizinho é muito mais divertido. Começa-mos disfarçados de uma das crianças e podemos simplesmente mudar para o vizinho imediatamente e perseguir os oponentes pela casa ou fazer um jogo de espera que é muito mais gratificante. O conceito de jogo pode ser divertido, mas é altamente desequilibrado. Jogar como vizinho é muito melhor do que jogar como uma comum criança, mas iremos passar muito mais tempo como criança do que vizinho.

Se gostaram de Hello Neighbour e Among Us, Secret Neighbour pode ser um jogo fantástico para vocês, mas para a maioria dos jogadores é um jogo que podem facilmente ignorar, até porque existem muito melhores propostas do género.

Tiago Roque

Leave A Comment