Análise Eleusis

Eleusis é uma aventura passada numa aldeia remota na Grécia, onde o personagem principal vive uma série de eventos enigmáticas, e tenta entender o que está a acontecer à sua volta. Eleusis é conhecida na realidade por uma série de mistérios que rodeia um culto ao deus Deméter e que continua a ser um mistério por resolver. Este mistério serve como pano de fundo para o jogo no qual o culto parece estar ainda ativo.

A história começa com o jogador a ser informado sobre o motivo de termos que ir para a nossa cidade natal. Recebemos uma carta misteriosa e não muito tempo depois, começamos a descobrir os sinais de um culto poderoso e de que somos o único que os pode parar.

À medida que a história começa a se desenrolar, tudo começa a ficar mais obscuro e aquilo com que ficamos é um verdadeiro jogo de terror ao estilo de Amnesia The Dark Descent. Os desenvolvedores fizeram um ótimo trabalho na criação de uma atmosfera sombria no jogo. Há muito de semelhante a Amnesia neste aspecto. Não são os inimigos que nos colocam em sobressalto, mas sim o ambiente sombrio onde as fontes de luz escasseiam.

A história evolui à medida que vamos resolvendo puzzles. Eleusis não é um survival horror, portanto a forma de progresso é novamente semelhante à de Amnesia, em que o principal objectivo é explorar o ambiente. A jogabilidade é o que seria de esperar também, com um esquema igual ao de jogos de aventura na primeira pessoa.

Além de explorar vão ter que sobreviver e existem algumas secções onde a nossa destreza é posta à prova, especialmente as nossas capacidades furtivas. Os puzzles são desafiantes, mas nunca por dificuldades na jogabilidade ou outros problemas técnicos. A dificuldade que pode existir é devida a bom design e puzzles inteligentes.

Como a exploração é livre podemos ficar presos, não porque não conseguimos sair do mesmo sitio mas porque podemos. O facto de não termos propriamente objetivos pode fazer-nos andar perdidos a fazer coisas sem qualquer importância para a nossa progressão. Não é comum, uma vez que é normalmente fácil descobrir o que fazer a seguir, mas não deixa de acontecer. Existem pistas que nos garantem que seguimos o caminho correto, desde que tenhamos paciência para ler textos e levar tudo com calma.

ilixtEu1hwoB0

Outro aspecto que nos ajuda a manter o foco é o facto de apenas itens uteis poderem entrar no nosso inventário. Se encontrarem algo interessante mas que não tem qualquer utilidade para a história e progressão esse item nunca irá entrar no inventário, que pode ser acedido facilmente.

Os gráficos , juntamente com os sons fazem de Eleusis um jogo assustador. Nem sempre o medo constante se traduz num verdadeiro susto como acontece em jogos como Dead Space com os monstros a saltarem-nos na cara, mas é um cenário de respeito. Infelizmente para os mais assustados o jogo não dispões de um sistema manual de saves. Isto obriga-nos a continuar a jogar até ao próximo checkpoint, apesar da vontade de sair do jogo e acalmar um pouco.

Eleusis é muito escuro, o que aumenta ainda mais a tensão. Existe uma sensação constante de que a qualquer momento algo vai aparecer ou saltar das sombrar e o jogo faz um bom trabalho a provar-nos que isso pode mesmo acontecer. Muitos jogos tornam os sustos comuns e perdem o efeito pretendido, ou nunca concretizam. Eleusis por outro lado deixa-nos sempre na duvida mas concretiza quando deve, mantendo-nos na defensiva durante todo o jogo.

ingame_16x10

Aquilo que falta em termos de musica em Eleusis é compensado por outros efeitos sonoros que estão presentes e de grande qualidade. Há sempre algo para ouvir aqui nem que seja os nossos próprios passos. E mais assustadores que os nossos passos, são passos que não são nossos obviamente.

Eleusis é o jogo ideal para jogar nesta altura, especialmente para quem quer apanhar um susto de vez em quando. A atmosfera e design de som são ótimos, mas é difícil ignorar os problemas na progressão que além de lenta tem o problema no esquema de saves. Isso não prejudica o jogo propriamente dito mas pode faze-lo à experiencia que se tem deste.

8/10

Tiago Roque

Leave A Comment