Análise: Razer Lancehead

Não é fácil arranjar o que dizer mês após mês sobre o hardware da Razer. As propostas da marca podem ser mais ou menos ajustadas ao valor que é pedido por elas, mas no geral todo o hardware se destaca pela qualidade, algo que tem até melhorado com o tempo. No entanto não existem grandes propostas da Razer no que toca a budget gaming, razão pela qual muitas vezes a marca é vista como demasiado cara para aquilo que oferece, algo que está longe de ser verdade.

O Lancehead é o novo rato wireless da Razer e ao contrário do último rato da wireless que por aqui passou, não há nada de negativo a salientar desta vez. A unidade que nos chegou às mãos funcionou sem qualquer problemas ou soluços tanto ligada com fio como sem fios e no geral a experiência foi surpreendentemente boa. Já por aqui passaram vários ratos da Razer e a maioria foi sem grandes surpresas bem recebida, mas o Lancehead foi aquele que até agora me surpreendeu mais pela positiva. O equilíbrio de peso e ergonomia do Lancehead são soberbos e surpreendentes, especialmente porque se trata de um rato ambidextro. O clique por alguma razão que ainda não consegui identificar é o mais satisfatório dos ratos que tenho experimentado, algo que no geral é transversal a todo o rato.

O lancehead não é perfeito, mas está perto disso. Uma pequena coisa que pode ser um problema é a acessibilidade dos botões laterais. Pessoalmente os botões que ficam do lado direito do rato são quase inúteis, não lhes consigo chegar de facil o suficiente para estes terem a utilidade que deveriam ter e fico-me simplesmente por aqueles que ficam do lado esquerdo. Este é sem duvida um problema que vem de ser um rato ambidextro e que percebo, mas que não deixam de ser um compromisso para que o rato funcione bem para esquerdinos e destros.

Lendo alguns artigos online podemos ver que a Razer tem-se gabado bastante da performance wireless deste Lancehead e com alguma razão. A realidade é que este é o primeiro rato wireless que uso que não tem algum tipo de soluços aqui e ali com pequenos saltos ocasionais na mira a jogar e outros problemas similares. A Razer fala das potencialidade do seu  Adaptive Frequency Technology e a verdade é que não posso discordar. A estabilidade do uso do Lancehead fala por si e não há como discordar.

Existem outros bons ratos no mercado, especialmente se estiverem preparados para pagar o que o Lancehead custa, mas nenhum deles é melhor que o Lancehead. Alguns ratos equivalentes podem até custar um pouco menos, mas aquilo que a Razer oferece aqui é realmente bom. O único problema de maior e que não me canso de referir é que para aproveitar o hardware da Razer temos de instalar o Synapse, o ainda problemático software da Razer que não parece ir a lado nenhum.

Tiago Roque

Leave A Comment