Análise: Razer Thresher Ultimate

Se há uma empresa que raramente me desilude essa empresa é a Razer. Mesmo quando o faz, o que é raro, acaba por ser pelo preço ou porque ofece um produto mais simples do que aquilo a que me habituou. O seu headset Thresher é um dos seus melhores produtos e a sua versão Ultimate para Xbox One e Windows apenas o eleva mais, no entanto o preço não é para todas as bolsas.

Em termos de conectividade com a Xbox One não tenho nada de relevante a assinalar. Tudo funcionou na perfeição e a única coisa que me causou alguma confusão foi talvez a interface e feedback do headset. Não posso dizer que exista algo de realmente mau neste aspecto, apenas que na maioria dos aspectos o feedback e interface são ambíguos e demorei um pouco a perceber o que as luzes intermitentes e fixas queriam dizer, assim como o que realmente faziam os botões de volume de um lado e do outro e mesmo quando soube tudo isso enganei-me muitas vezes acabando por aumentar o volume quando queria reduzir a sensibilidade do micro e vice versa. A posição do botão de ligar e desligar também não é perfeita e demorei um pouco a habituar-me à sua localização.

Felizmente para todos o parágrafo anterior resume tudo o que o Thresher Ultimate oferece de menos bom, porque tudo o resto é impressionante. Começando pelo conforto, os Thresher têm umas almofadas incrivelmente confortáveis nos ouvidos que completam na perfeição com uma almofada na zona superior.  Numa nota perfeitamente pessoal, os Thresher foram os headphones mais confortáveis que utilizei da Razer e nunca me deixaram com dores de cabeça por causa da pressão horizontal nem senti o seu peso no pescoço por exemplo. Além de tudo isso, o suporte que esta edição Ultimate traz completa o conjunto de forma elegante, encaixando na base de ligação wireless e graças ao suporte nunca perdi o headset no sofá nem me sentei em cima dele por azar e acreditem que isso acontece-me bem mais do que gostaria, sendo a principal causa de destruição de headphones aqui em casa.

Com uma interface confusa mas altamente confortáveis, a minha análise chega aquilo que deveria ser o cerne da questão, o som.  A Razer conta com uma larga experiência em periféricos e não há muito que errar na parte técnica, apesar de termos de som puro os ter já visto falhar uma vez. No entanto aqui isso não aconteceu e os Thresher são em termos de som um exemplo perfeito do melhor que se pode conseguir, oferecendo um som quase perfeito tanto em musica como cinema e jogos. A amplitude e profundidade de som roçam a perfeição e o conforto que o headset proporciona ajuda a que o som flua de forma perfeita. Uma pequena critica e que nada tem a ver com a qualidade som é que se realmente gostarem do headset e o quiserem utilizar por Bluetooth por exemplo, infelizmente não irão conseguir. Seja na consola ou no PC o som apenas consegue chegar ao Thresher através da sua base que por si se liga à fonte do som por USB.

Não há muito mais para dizer sobre os Thresher Ultimate sem entrar em detalhes técnicos que aborrecem 99% dos leitores. O único detalhe de que falta falar é  o design e nesse aspecto apenas posso elogiar novamente. A não ser que não gostem mesmo de verde, os Thresher são bonitos e resistentes. A durabilidade é talvez um dos seus melhores aspectos. Sem sacrificar o peso, que é de pouco mais de 400g, o headset é rígido e fortalecido nas zonas essenciais, oferecendo apenas um dois pontos mais frágeis mas que são essenciais no que toca a conforto.

Tiago Roque

Leave A Comment