Análise: Sky Noon

Apesar de se encontrar ainda em Early Access Sky Noon está neste momento num estado  bastante estável e que deverá estar muito próximo do resultado final e portante é já possível efectuar a nossa análise. Existem neste momento sete mapas disponíveis que consistem em uma cadeia de ilhas flutuantes cobertas de saloons, carrinhos de minas e outros lugares que podemos encontrar em qualquer jogo ou filme baseado no faroeste americano. Em termos de jogabilidade Sky Noon é um shooter knockout em que o objectivo é lançar os adversários fora do mapa.

Cada jogador começa com uma arma aleatória e um gadget e pode trocá-los usando captadores no mapa. Há revólveres de tiro aéreo, espingardas, metralhadoras e até dinamite que explode numa explosão de ar comprimido. No entanto e apesar de existir uma boa variedade de armas, a única maneira de dominar Sky Noon é dominar o uso do laço e gancho, o equipamento que realmente interessam. O principal meio de travessia é o gancho temos na mão esquerda.

O jogador pode trancar e se balançar de prédios, as próprias ilhas, objectos flutuantes como balões e até mesmo outros jogadores. Tal como Just Cause e a sua fantástica mecânica de gancho, também aqui o maior sucesso de Sky Noon é a incrível sensação da mecânica do swing. As possibilidades são muitas e quando conseguimos fazer algo realmente espectacular o sentimento de satisfação é fantástico. Se uma arma e gancho não forem suficientes para o jogador, cada jogador também vem equipado com um laço pode usar para pegar captadores de armas ou gadgets e até mesmo atrair outros jogadores para um ataque corpo-a-corpo de curto alcance.

Nem todos os modos de jogo se resumem a derrubar adversários num penhasco sem fim. Além de modos como deathmatch e team deathmatch, também podemos participar em combates como King of the Hill e um modo de carga em que as equipes tentam usar as suas armas aéreas para impulsionar um carrinho de minas para o lado do mapa em busca de pontos. Além dos modos multi-jogador ainda existe um modo de contra-relógio que envolve a luta pelo mapa multiplayer em altas velocidades e que é uma ótima maneira de treinar as habilidades básicas do jogo.

Enquanto o visual de Sky Noon e a jogabilidade acelerada são muito divertidos e fáceis de aprender também existem vários problemas. O sistema de progressão cosmética deixa muito a desejar. À medida que o jogador ganha experiência e aumenta o nível do jogo, ele desbloqueia novas opções de roupas para o seu avatar de cowboy. Conseguir um novo chapéu brilhante ou uma bandana nova é engraçado mas pessoalmente gostaria de ver algo mais. Este tipo de progressão é algo tão banal e já foi feito antes seja em Team Fortress ou Overwatch e pessoalmente gostava de ver algo diferente.

Sky Noon tem uma aparência, mecânicas de jogo bastante únicas e o resultado final é bastante polido no que toca  a jogabilidade, especialmente tendo em conta que ainda se encontra em Early Access. Existem muitos aspectos que ainda precisam de ser melhorados, mas no seu estado actual é já uma boa experiência.

Tiago Roque

Leave A Comment